Arte muda vidas de deficientes e quebra barreira do preconceito

Entre os benefícios estão a criatividade, sensibilidade, autoestima e confiança

A arte pode ajudar as pessoas especiais a desenvolverem vários aspectos importantes, como a criatividade, a sensibilidade, além de potencializar as capacidades intelectuais e aprender a expressar as emoções.

Na Capital, a Associação de Educação Especial Marcelo Takahashi, também conhecida como Escola Especial Colibri, atua nas vertentes educação, saúde e serviço social voltadas para pessoas com deficiência. Dentre o ensino educativo, a aula de artes é a que ganha destaque. Os alunos aprendem a pintar, desenhar, fazer mosaicos, mandalas e muito mais ações que auxiliam o desenvolvimento dos estudantes.

A instituição foi fundada em março de 1990 e atualmente atende 200 pessoas com deficiência intelectual entre crianças, adolescentes e adultos.

A arte traz muitos benefícios para uma pessoa especial, mas de acordo com a professora de artes da escola, Sharon Rogoski, a autoestima é a que mais se destaca. “Os alunos se identificam com a arte, se expressam sem precisar esconder sua deficiência. Muitos se queixam por serem diferentes, o preconceito ainda é grande”, afirma.

Para a diretora da Associação, Maria Inês da Silva Nunes, a arte proporciona também a valorização da pessoa, a inclusão, o encorajamento e, principalmente, a confiança. “É um momento que eles não se veem como diferentes. Ainda há muito preconceito, a sociedade tem um pensamento errado sobre o que é ser deficiente e a arte vem para mudar isso, porque através dela [arte] eles se expressam e não tem medo de serem o que são”, ressalta.

Exposição especial

Este sábado (21), é o Dia Nacional da Luta da Pessoa com Deficiência e visando transmitir uma mensagem e um olhar mais sensível a esses indivíduos, a Plataforma Cultural da Explanada Rodoviária recebeu a primeira Exposição de Arte da Associação de Educação Especial Marcelo Takahashi.

O evento que está acontecendo desde o dia 18 de setembro, se encerra neste sábado (21). Com o tema “Minha Arte é Mais que Especial”, a exposição traz obras, em sua maioria, de paisagens e animais do Mato Grosso do Sul. O nome trata de uma arte fora do comum e que visa mostrar o quão bom os alunos conseguem ser, mesmo sendo diferentes.

Os trabalhos realizados pelos próprios alunos da associação, foram feitos em cartolina e papel cartão e pintados com tinta guache. As pinturas também estão sendo comercializadas e tem valor mínimo de R$ 40 e máximo de R$ 150 incluindo moldura.

A professora de artes, Sharon Rogoski, é a idealizadora do evento e se emociona em dizer que pela primeira vez haverá uma exposição desses alunos. “Quase não existe ações voltadas para eles [deficientes intelectuais]. É a primeira vez que vejo uma exposição de arte como essa e sou suspeita em falar, mas está lindo. Eles estão muito felizes. Para nós que estamos na educação especial é gratificante em poder fazer esse trabalho”.

Visitação

Felicidade é a palavra que transborda no coração da Laura Ito, de 74 anos, mãe do Marcos Sandro de Souza, de 36 anos, aluno especial que frequenta a escola Colibri. Para ela, ver o resultado da exposição é muito gratificante e o orgulho que sente pelo filho só aumenta.

“Eu vim hoje prestigiar e estou encantada com o resultado, uma obra mais linda que a outra. Depois que o Marcos começou a participar das aulas de artes ele melhorou muito a parte intelectual. Eu, como mãe, me encho de orgulho ao ver meu filho se desenvolvendo cada dia mais”.

A exposição se encerra neste sábado (21), quem se interessar pode ir na Sala de Vidro, que fica na Plataforma Cultural da Antiga Ferroviária, das 16 às 20 horas.

Arte muda vidas de deficientes e quebra barreira do preconceito
Mais notícias