Aos 41 anos, morre a bailarina e ‘Mulher Maravilha” Patrícia Tatiana Soler

Fisioterapeuta lutava há 4 anos contra um câncer de mama

A Dra Patrícia Tatiana Soler, fisioterapeuta, bailarina, coreógrafa e “Mulher Maravilha da Liga do Bem, de Campo Grande, morreu na última quarta-feira (8) após lutar 14 anos contra um câncer de mama. O Jornal Midiamax contou a história de Patrícia no Dia da Dança, no ano passado, como símbolo de alegria e luz que ela transmitia através dos seus trabalhos.

Multifacetada, Patrícia não se deixava abalar pela doença. Ainda que muitas vezes internada por complicações do câncer, a professora usava as redes sociais para tranquilizar amigos, familiares e colegas de trabalho.

Além de apaixonada pela dança do ventre, a fisioterapeuta também dividia seu tempo fazendo o bem. Ela dava vida à personagem da Mulher Maravilha pela Liga do Bem – grupo de voluntários que levam alegria para os hospitais da Capital.

Conforme o perfil da Faculdade Unigran, Patrícia era fisioterapeuta e doutoranda em Portugal. No final do ano passado, levando o nome da universidade para o mundo, publicou a tese de doutorado em uma revista científica internacional, a Psychological Reports. O estudo teve como tema o Transtorno Dismórfico Corporal, um transtorno relacionado a preocupações com a aparência.

Sempre grata, a dançarina publicou, no dia 31 de dezembro, seu “saldo” de 2018. Segundo ela, durante o ano foram “9 cirurgias, 31 quimioterapias, 2 transfusões, 14 antibioticoterapias venosas, 2 festivais de dança, 1 medalha, 2 publicações internacionais e 1 menção em radio européia.”

A missa de corpo presente foi realizada na quinta-feira (9), às 14h30, e o sepultamento às 16h30, no Cemitério Memorial Park em Campo Grande.