Paraguai investiga primeiro caso suspeito de coronavírus

Chinês que mora em Assunção, no Paraguai, viajou para seu país de origem para as festas de fim de ano e retornou no sábado (26) ao país vizinho

Um chinês que mora em Assunção, no Paraguai, pode ter contraído o coronavírus quando esteve na China comemorando as festas de fim de ano. Com isso, o país vizinho de Mato Grosso do Sul, registra seu primeiro caso suspeito da doença. 

A informação foi repassada pelo Ministro da Saúde do Paraguai, Julio Mazzoleni em entrevista coletiva realizada nesta quarta-feira (29). Ele disse que o homem procurou o ministério alegando estar com febre. 

Durante a coletiva, o ministro disse que o chinês está sendo atendido em casa em ‘contínua vigilância’, tem colaborado com a equipe médica, apresenta boa saúde e agora está no aguardo dos exames médicos para confirmar ou descartar a doença. Amostra dos exames do paciente foi enviada para Atlanta, nos Estados Unidos. 

Segundo o ministro, o paciente chegou em Assunção no último sábado (26) pelo aeroporto Silvio Pettirossi, após ter feito escala na Espanha, depois de passar o Natal na Europa. Ele esteve na China, seu país de origem, conforme o Infobae. 

Ainda conforme Mazzoleni, está descartada a possibilidade de mais pessoas suspeitas de terem coronavírus, incluindo uma pessoa que está internada no Hospital Bautista de Asunción. 

Nas últimas semanas, conforme o ministro, 35 paraguaios chegaram da Asia, todos foram identificados e 13 passaram por período de incubação, sendo a doença descartada. Os outros 8 moradores teriam viajado de Taiwan.

O ministro da Saúde esclareceu ainda que as autoridades estão prestando atenção especial para a zona do Alto Paraná, onde existe uma maior circulação de cidadãos da China. Mazzoleni também insistiu na importância do auto-relato como parte da estratégia para impedir a disseminação.

Minas Gerais

O ministro da Saúde do Brasil, Luiz Henrique Mandetta (DEM) confirmou o primeiro caso suspeito de coronavírus em Minas Gerais. A paciente é uma mulher que chegou da China nas últimas semanas. Conforme o Ministério, foram analisados 7.000 rumores, sendo 127 verificados, mas apenas esta mulher tem a suspeita da doença.