Administração do estádio do Palmeiras faz demissões por falta de eventos

A crise provocada pela pandemia do coronavírus trouxe consequências ruins para o quadro de funcionários do Allianz Parque. A administração do estádio do Palmeiras realizou demissões em razão da queda nas receitas do estádio, que não tem recebido eventos por causa do período de isolamento social.

A administração do estádio tem buscado alternativas e desligou cerca de 15% dos funcionários, embora ainda avalie a possibilidade de manter o vínculo de alguns deles, mesmo sem o pagamento de salários por um período, na esperança da retomada das atividades no segundo semestre.

A redução dos valores pagos a funcionários também é visto como uma possibilidade pelos gestores em um período classificado como de emergência por causa do cancelamento de todos os eventos.

A arena palmeirense não tem recebido qualquer tipo de evento, sejam os jogos do clube ou os shows que dividiam a agenda do estádio com o clube, incluindo apresentações de algumas das principais estrelas musicais internacionais, assim como o tour pelas suas dependências.

Assim, a última movimentação de peso foi uma campanha de vacinação contra a gripe influenza, no dia 23. Já a última vez que o Palmeiras entrou em campo no local ocorreu em 10 de março, pela Copa Libertadores, diante do paraguaio Guaraní.

O Allianz Parque é administrado pela WTorre, responsável pela obra de construção do estádio. O Palmeiras, dono do terreno onde ficava o antigo Palestra Itália, só assumirá a gestão em 2044, mas recebe parte das receitas com os jogos e eventos no local.

Administração do estádio do Palmeiras faz demissões por falta de eventos
Mais notícias