Copa Africana das Nações antecipa utilização do VAR para as quartas de final

Erros cometidos pelos árbitros no decorrer desta edição do evento motivaram a ação

As oitavas de final da Copa Africana de Nações foram encerradas na última segunda-feira e a organização da competição confirmou que utilizará o VAR (arbitragem de vídeo) a partir da próxima fase do torneio realizado no Egito.

Inicialmente, o uso deste recurso estava previsto para ocorrer apenas a partir das semifinais, mas alguns erros cometidos pelos árbitros no decorrer desta edição do evento motivaram esta confirmação do uso do VAR já para as quartas de final.

Os dois primeiros classificados às semifinais serão definidos nesta quarta-feira, quando ocorrerão os duelos Senegal x Benin, às 13 horas (de Brasília), e Nigéria x África do Sul, às 16h. Já as outras duas seleções que avançarão para brigar por uma vaga na decisão serão conhecidas na quinta-feira, quando serão realizados os confrontos Costa do Marfim x Argélia, às 13h, e Madagáscar x Tunísia, às 16h.

Na última segunda-feira, os marfinenses se garantiram nas quartas de final ao vencerem o Mali por 1 a 0, com um gol do atacante Wilfried Zaha, do Crystal Palace, da Inglaterra. Outra seleção que se classificou na segunda foi a Tunísia, que eliminou Gana nos pênaltis após empate por 1 a 1 no tempo normal

Os outros resultados das oitavas de final da competição foram os seguintes: Uganda 0 x 1 Senegal, Marrocos 1 x 1 Benin, Nigéria 3 x 2 Camarões, Egito 0 x 1 África do Sul, Madagáscar 2 x 2 Congo e Argélia 3 x 0 Guiné. Em dois destes duelos, Benin e Madagáscar avançaram às quartas ao triunfarem na disputa por pênaltis.

TANZÂNIA DEMITE TÉCNICO – Após a seleção do país ser eliminada na fase de grupos da Copa Africana de Nações, a Tanzânia confirmou a demissão do técnico Emmanuel Amunike. Ele anteriormente havia conseguido um feito histórico à frente da equipe do país, que não se classificava para este estágio do torneio continental há 39 anos.

Nesta edição da Copa Africana, os tanzanianos foram derrotados por Argélia, Quênia e Senegal e não somaram nenhum ponto no Grupo C da competição, na qual também marcaram apenas dois gols e sofreram oito. E a campanha pesou para a sua saída do cargo.

Mais notícias