Confiante, Mancini projeta permanência no Atlético-MG: ‘Quero estar aqui em 2020’

Domingo, às 16 horas, Mancini vai dirigir o Atlético-MG pela primeira vez no Estádio Independência. O duelo vai ser contra o Santos, terceiro colocado na classificação. O técnico espera por um jogo equilibrado, apesar de o time mineiro somar apenas uma vitória nas 12 últimas rodadas.

“O Santos tem um sistema de jogo muito interessante. É um time que muda a maneira de jogar ao longo da partida. Temos que estar atentos a tudo isso. Uma equipe bem treinada que vamos enfrentar, que tem um poderio ofensivo muito bom. Dentro de uma partida você tem que equiparar os pesos. Embora eu esteja chegando agora, eu conto com o lastro dos jogadores para que, diante de dificuldade, se saiam bem. Vai ser um jogo duro, mas vai ser um jogo duro para o Santos também”, ressaltou.

Mancini não demonstrou preocupação com a grande rejeição ao seu nome por parte do torcedor atleticano. “Ela acontece e você tem que respeitar a opinião. Já tive dois rebaixamentos, mas já tive acessos. Já tive estaduais ganhos. Já peguei time na zona de rebaixamento e levei até o terceiro lugar. Já salvei time de rebaixamento. Futebol é feito de vitórias, empates e derrotas. Estou aqui para falar das minha vitórias, mas das minhas derrotas também. Estou aqui sentado porque já fiz bons trabalhos, e é por isso que o Atlético me escolheu”, disse.

Com 32 pontos, na 12.ª colocação, o técnico demonstra confiança na recuperação da equipe nas 12 últimas rodadas. “Nós temos que pensar em tudo, porque o campeonato ainda está em aberto. Temos um time liderando o campeonato com uma certa margem, e o resto está tudo indefinido ainda. Aqui dentro, eu com os atletas, falamos sobre tudo. O mais rápido é que temos que voltar a ganhar, e espero que seja domingo.”

O atacante Luan também concedeu entrevista coletiva nesta sexta-feira e reconheceu que o time está devendo uma resposta para a torcida. “Nessa reta final do Brasileiro, tenho que dar algo a mais para tirar o Atlético dessa situação. Não é uma posição legal para a gente, pelo elenco que a gente tem, os jogadores que a gente tem. Estamos devendo, sim. Agora, temos mais 12 jogos para a gente dar uma arrancada no Brasileiro e terminar a competição (de forma) digna.”

O jogador afirmou que a equipe precisa traçar uma meta. “Temos de terminar o Brasileiro bem. Acho que se a gente ganhar uns jogos aí, uns três, quatro, cinco jogos seguidos, a gente consegue colar no G6. E aí a gente traçar outras metas, quem sabe buscar uma pré-Libertadores novamente. Mas o momento é de ganhar um jogo, depois pensar no outro”, projetou.

Mais notícias