Exame de Anderson Silva mostra uso de testosterona sintética

Exame de “Spider” também detectou uso de diurético

Um dos maiores lutadores de todos os tempos, pode ter a carreira encerrada de forma surpreendente. Anderson Silva foi flagrado em exame antidoping em novembro de 2017, e de acordo com o site Combate.com, o ex-campeão dos médios teve detectados o uso de testosterona sintética (metiltestosterona) e diurético.​

Aos 42 anos, “Spider” pode pegar mais de dois anos de suspensão, punição que poderia sacramentar uma aposentadoria do brasileiro. A defesa de Anderson espera uma pena reduzida.

Anderson Silva já foi flagrado e suspenso por doping em janeiro de 2015, no duelo contra Nate Diaz no UFC 183. Mas na época, o brasileiro foi punido pela Comissão Atlética de Nevada (NAC). Dessa vez, o ex-campeão será julgado pela Usada (Agência Antidoping dos Estados Unidos).

Por se julgado pela Usada, a defesa de Anderson Silva, acredita que o brasileiro possa ser considerado um réu primário, se for assim, a punição do ex-campeão poderá ser menor que dois anos

Mais notícias