‘Ordem de Brasília’: 130 PMs de MS expulsaram indígenas de fazenda sem mandado

Ação deixou feridos no grupo, com idosos e crianças, e foi comemorada em áudio atribuído ao prefeito de Aquidauana, que atribuiu a ação determinação partida de Brasília

Ninguém sabe explicar até agora de onde partiu a ordem para 130 policiais militares de Mato Grosso do Sul removerem cerca de 300 indígenas da etnia Kinikinau da fazenda Água Branca, em Aquidauana, a 130 quilômetros de Campo Grande. A ação, na tarde dessa quinta-feira (1), deixou feridos. Os policiais teriam usado armas e balas de borracha contra o grupo.

A Funai, órgão federal que acompanhou a expulsão, afirma que a ação teria sido truculenta e desproporcional, principalmente porque os indígenas que promoveram a ocupação estariam desarmados e teriam grande número de idosos e crianças.

“Havia um grande aparato policial e não houve negociação antes da expulsão. Esperávamos que o próprio comandante da PM falasse com a liderança, para que se retirassem pacificamente. Tentamos negociar, intermediar, mas infelizmente não fomos ouvidos pelos policiais”, afirmou ao Jornal Midiamax enviado da Funai (Fundação Nacional do Índio) à área de conflito, Elvis Cley.

Ele confirma que a expulsão não seguiu ordem judicial. “Por isso a surpresa. Se houvesse ordem judicial, um mediador iria reunir a comunidade, que teria feito a retirada. Mas, não houve nada assim, nenhum diálogo. O único [diálogo] que houve foi com a Polícia Federal, que disse claramente que não haveria ação policial da parte dela se não houvesse uma ordem judicial”, acrescenta o servidor da Funai.

‘Ordem de Brasília’, segundo prefeito

Por volta das 17h, uma suposta “ordem de Brasília” fez com que o efetivo de 40 policiais militares fosse incrementado com 90 homens, que desceram à região em dois ônibus cedido pela Prefeitura de Aquidauana. Um arquivo de áudio atribuído ao prefeito da cidade, Odilon Ribeiro (PSDB), confirmaria determinação de desocupar a fazenda “por bem ou na força” (ouça no player abaixo).

Para as lideranças indígenas, portanto, a expulsão foi irregular e seguiu interesses políticos, já que não houve mandado de reintegração de posse e nem mesmo mediação de área de conflito, conforme decisões judiciais afins costumam determinar.

A reportagem tentou falar com o prefeito Odilon Ribeiro, mas as ligações não foram atendidas. A Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) também foi acionada e, por meio de nota, informou que a desocupação “ocorreu pacificamente, com objetivo de combater crimes de ameaça, furto qualificado, danos e crimes ambientais que estavam sendo praticados na propriedade rural pelos índios da etnia Kinikinaua. A ordem é identificar as pessoas que cometeram os delitos e prender, pois estão em flagrante”.

A secretaria ressaltou, ainda, que o “foco das ações foram no sentido de combater delitos de competência da segurança pública e evitar confronto entre produtores e índios. Por esse motivo as forças policiais permanecem na região”, finaliza o comunicado.

Indígenas Kinikinau

Indígenas da etnia Kinikinau ocuparam na quinta-feira (1º) propriedade rural em Aquidauana. Conforme informações advogado Luiz Eloy Terena, o clima na região era de tensão, já que aparato policial foi deslocado à área de conflito.

Segundo Eloy, não havia nenhuma ordem judicial para a desocupação. “Mas os fazendeiros estão pressionando a polícia para retirar os índios do local”, disse ao Jornal Midiamax.

Até helicóptero foi utilizado em ação considerada truculenta e desproporcional | Foto: Divulgação

 

Mais notícias