Com alimentos custando até o dobro, 2020 termina com cesta básica R$ 126 mais cara em Campo Grande

Os 'vilões' do bolso foram a carne, leite, arroz e óleo, segundo o Dieese

O campo-grandense pagou em dezembro R$ 126 a mais para comprar a cesta básica em relação a janeiro de 2020. Alguns alimentos encerraram o ano custando o dobro em relação ao preço de venda praticado no começo de 2020. O levantamento foi divulgado nesta segunda-feira (11) pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Os dados mostram que o conjunto dos alimentos básicos disparou 28% no período, passando dos R$ 450 praticados em janeiro para R$ 576 em dezembro do ano passado. Isso porque o último mês de 2020 registrou queda de 2,14% no valor.

Os principais ‘vilões’ para o bolso do campo-grandense foram a carne (+25,51%), leite (+24,08%), arroz (+85,09%) e óleo de soja (+108,71%). No geral, todos os itens ficaram mais caros, mas alguns apresentaram reajustes menores como o caso do pão (+2,78%) e do café (+4,11%).

Com alimentos custando até o dobro, 2020 termina com cesta básica R$ 126 mais cara em Campo Grande

O Dieese aponta que o valor da cesta básica para uma família composta por dois adultos e duas crianças é de R$ 1.729,44, que é a quantia que o campo-grandense paga para os alimentos básicos.

Considerando o salário mínimo, o cidadão precisa trabalhar 121 horas e 22 minutos para adquirir uma cesta básica, que irá comprometer 59,64% do valor líquido do salário mínimo.

Com alimentos custando até o dobro, 2020 termina com cesta básica R$ 126 mais cara em Campo Grande
Mais notícias