Trabalhadores do comércio e indústria foram os mais afetados com acordos trabalhistas na pandemia

Destaca-se ainda setor de hotéis e alimentação, além da educação

Dados do indicam que 21,6% dos acordos trabalhistas feitos durante a pandemia foram de empresas do comércio em . A maioria desses acordos é para suspensão do contrato de trabalho. Há também negociações para redução de jornada e salário.

Conforme o governo federal, foram feitos 104.985 acordos no estado, sendo que 22.723 foram do setor de serviços. O número representa 21,6% do total.

Trabalhadores do comércio e indústria foram os mais afetados com acordos trabalhistas na pandemiaA indústria também teve peso nos acordos homologados, com 18.904 registros. Destes, 18.244 são da indústria de transformação.

Dentro do setor de serviços, o que mais realizou acordos, conforme os dados, foi o de alojamento e alimentação, com 15.096 acordos, a educação teve 13.970 acordos.

Por outro lado, um dos setores menos afetados da economia pela crise que a pandemia gerou foi o da construção civil. De abril a 2 de outubro, foram 1.712 negociações entre empresas e funcionários.

Já a agropecuária teve apenas 832 acordos registrados, conforme o ministério.

Perfil dos trabalhadores

Os dados revelam ainda o perfil dos trabalhadores submetidos a acordos trabalhistas em razão da pandemia. No total, 56,25% são mulheres, o que representa 59.049 pessoas. Por outro lado, são 45.810 homens com acordos homologados.

A faixa etária predominante é dos 30 aos 39 anos, com 30.049 acordos, que representa 28,6% do total. Em seguida aparecem trabalhadores com idades entre 40 e 49 anos – 19.904 acordos, dos 18 aos 24 – 19.438 e 25 a 29 – 17.807.

Trabalhadores do comércio e indústria foram os mais afetados com acordos trabalhistas na pandemiaTrabalhadores do comércio e indústria foram os mais afetados com acordos trabalhistas na pandemia

 

 

 

 

 

 

Tipos de acordo

Dados do mostram que desde abril, 46.607 trabalhadores tiveram o contrato de trabalho suspenso em . Além disso, 22.488 tiveram redução de 50% do salário, 20.316 tiveram decréscimo de 70% e 14.075 empregados tiveram redução de 25%. Outros 1.499 estão em regime de contrato intermitente, quando recebe apenas no momento em que a empresa solicita seus serviços.

Em MS, 46,6 mil trabalhadores com contratos de trabalho suspensos receberão 13º menor

Trabalhadores do comércio e indústria foram os mais afetados com acordos trabalhistas na pandemia
Mais notícias