Quarto maior produtor do país, safra da cana-de-açúcar tem início lento em MS

Com demanda menor no mercado do etanol, açúcar volta a ganhar espaço na produção industrial

 A safra 2020/2021 da cana-de-açúcar teve início dia 1º de abril na região Centro/Sul do país da qual Mato Grosso do Sul faz parte como quarto maior produtor nacional de cana-de-açúcar. Até 15 de junho foram processadas 12,4 milhões de toneladas da matéria-prima pela indústria sucroenergética do Estado. A quantidade é 16% menor comparada ao ciclo anterior que se aproximou dos 15 milhões de toneladas naquele período.

De acordo com a Biosul (Associação de Produtores de Bioenergia de Mato grosso do Sul, a qualidade da matéria-prima, no entanto, é 4,6% melhor que no ano passado, com 129,02 kg de ATR/TC (Açúcares Totais Recuperáveis por Tonelada de Cana).

Neste ciclo 18 unidades estão em operação no Estado e iniciaram a moagem dentro dos respectivos cronogramas previstos. “A redução na velocidade do processamento da cana já era esperada diante do cenário de pandemia que estamos enfrentando”, afirma o presidente da Biosul, Roberto Hollanda Filho.

A produção de etanol foi de 700 milhões de litros, 25% menor comparado ao mesmo período da safra passada. Desses, 575 milhões de litros são de etanol hidratado (-23%) e 124 milhões de litros de anidro (-32%).

Já a produção de açúcar registrou saldo positivo. Foram 404 mil toneladas do alimento produzidas até 15 de junho, alta de 66% comparada ao mesmo período da safra passada quando produziu 243 mil toneladas do adoçante.

No mix de produção, 74% da matéria-prima processada foi destinada para a produção de etanol, enquanto 26% para o açúcar. “Uma retomada natural na produção do açúcar diante da queda na demando por combustível, sendo o etanol ainda o principal produto do Estado”, explica Hollanda.

Mercado

Acompanhando a situação de pandemia no País, as usinas do Estado registraram queda nas vendas de etanol. Em abril, foram comercializados de 148 milhões de litros do biocombustível, volume 55% menor comparado ao mesmo período do ano passado.

No mês de maio, sinalizando uma leve recuperação, foram vendidos 223 milhões de litros, volume 30% menor comparado a maio de 2019. No acumulado de abril a 15 de junho, o percentual de queda nas vendas do biocombustível chegou a 41% comparado ao mesmo período do ano anterior, com a saída de 493 milhões de litros de etanol do Estado.

Balanço safra 2019/2020

A safra da cana-de-açúcar 2019/2020 encerrou no dia 31 de março e somou 47,5 milhões de toneladas processadas em Mato Grosso do Sul. A quantidade que é 4% menor comparado à safra anterior mantém o Estado na quarta posição do ranking de produção da cana-de-açúcar no País. Com relação a qualidade da matéria-prima, houve uma leve recuperação de 2% de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) que atingiu 135 kg por tonelada de cana.

Com clima extremamente seco e ocorrência de geada, a temporada foi marcada por falta de chuva e uma colheita acelerada ao longo de 2019 com entressafra antecipada e mais longa no Estado.

Para o presidente da Biosul, Roberto Hollanda Filho, o clima atípico e a intensidade das geadas já indicavam a queda na produção. “Conforme a nossa expectativa os fatores climáticos custaram cerca de 2 milhões de toneladas de cana. O destaque neste ciclo foi a maior destinação de cana para a produção de etanol”, afirma. O mix de produção indicou que 88% da matéria-prima foi direcionada para a produção do biocombustível.

Etanol

Mato Grosso do Sul produziu 3,3 bilhões de litros de etanol na safra 2019/2020. O volume é 2% maior que a produção da safra anterior e o maior produzido pelo Estado até o momento. Desse total, 2,6 bilhões de litros foram de hidratado (+7,7%) e 672 milhões de litros de anidro (-15,9%).

Açúcar

A produção de açúcar teve a segunda queda consecutiva considerando o período da safra que registrou 730 mil toneladas (-22%). A redução refletiu o mix de produção, que destinou 12% da matéria-prima para a produção do alimento.

Bioeletricidade

Em 2019 o excedente de bioeletricidade cogerada a partir do bagaço da cana-de-açúcar em Mato Grosso do Sul somou 2.541 GWh (Gigawatt-hora). A quantidade é 1,7% menor que o excedente cogerado nas usinas no mesmo período do ano anterior, quando foi 2.586 GWh. Os dados são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Importante ressaltar que todas as unidades sucroenergéticas em operação no Estado são autossuficientes na produção e consumo de energia elétrica cogerada a partir do reaproveitamento do bagaço da cana-de-açúcar extraído da produção de etanol e açúcar. Dessas, treze exportam o excedente da energia cogerada a partir da cana para o Sistema Interligado Nacional (SIN). Atualmente, a capacidade de produção instalada no Estado é de 1.200 MW.

*com informações assessoria

Quarto maior produtor do país, safra da cana-de-açúcar tem início lento em MS
Mais notícias