Pandemia derruba movimento do aeroporto da Capital em 90% e conexões levam até 26h

Companhias mantêm de um a dois voos por dia para a Capital e passageiros precisam de paciência redobrada

A pandemia de Covid-19, o novo coronavírus, atingiu em cheio a demanda dos voos domésticos do Aeroporto Internacional de Campo Grande. Com a queda de 90,4% de passageiros em um mês, a oferta diminuiu e as conexões para chegar em outro destino pode demorar até 26 horas.

Duas das três companhias aéreas que operam no aeroporto da Capital afirmaram que disponibilizaram apenas os voos essenciais. A Gol informou ao Jornal Midiamax que manteve apenas um voo diário três vezes na semana para Guarulhos, São Paulo. A companhia esclareceu que o maior aeroporto do país possibilita a conexão com todas as capitais do país e o DF.

A Azul Linhas Aéreas também manteve um voo diário de Campo Grande para o aeroporto de Viracopos, em Campinas. De lá, caso não seja o destino final, o passageiro deve fazer a sua conexão e seguir para o destino.

Reduzindo suas operações em 95% após a pandemia, o Grupo LATAM não tem disponível voos saindo do Aeroporto Internacional de Campo Grande. A empresa relatou ao Midiamax que segue avaliando a situação diante da queda brusca de passageiros diante do coronavírus.

Queda de 90,4% de passageiros

A baixa demanda de passageiros embarcando em Campo Grande gerou uma queda de 90,4% na demanda do aeroporto, segundo a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária). Isso de um mês para o outro. Ao Midiamax, a empresa relatou que em março, foram contabilizados 72.231 passageiros embarcando e desembarcando em Campo Grande. Já em abril, o número caiu para 6.913 passageiros.

O número é ainda mais baixo quando comparado ao mesmo período do ano passado, pois em abril de 2019 a movimentação no Aeroporto Internacional de Campo Grande foi de 124.263 passageiros, 94,4% maior quando relacionado com abril de 2020.

Longas conexões

Pandemia derruba movimento do aeroporto da Capital em 90% e conexões levam até 26h
Foto: Reprodução

A baixa demanda de passageiros e poucas opções de voos por conta da pandemia tem como reflexo as longas conexões de voo. O passageiro que precisa chegar ao seu destino deve comprar seu bilhete ciente de que deverá ter bastante paciência entre um voo e outro.

Caso o morador compre um bilhete da Gol Linhas Aéreas de Campo Grande para Curitiba, por exemplo, dependendo da companhia, ele deverá fazer conexão em Guarulhos, e em São Paulo, ele deverá aguardar pelo segundo voo por 9 horas.

Um outro exemplo, é um bilhete comprado para sair da Capital Morena e chegar até Fortaleza, no Ceará. Caso opte pela Azul Linhas Aéreas, o cliente deverá embarcar com destino a primeira conexão, em Viracopos. Após aguardar 9h, ele deverá ir para Recife, onde deverá esperar por mais 11h20 e somente depois seguirá ao destino final.

Obra para recuperar prejuízos

O Aeroporto de Campo Grande que está em obras desde o ano passado, recebeu mais investimentos da Infraero. A obra no aeroporto envolve reforma, ampliação e modernização. Conforme a Infraero, os investimentos a mais foram feitos devido ao impacto econômico causado pela pandemia do novo coronavírus, buscando a recuperação do setor de aviação civil.

Com investimento de R$ 39,9 milhões e geração de mais de 2 mil empregos diretos e indiretos, os trabalhos foram iniciados em outubro do ano passado e seguem conforme o cronograma previsto, com prazo de conclusão para o primeiro semestre do ano que vem. A capacidade do terminal praticamente dobrará, passando dos atuais 2,5 milhões de passageiros por ano para 4,5 milhões.

Pandemia derruba movimento do aeroporto da Capital em 90% e conexões levam até 26h
Mais notícias