Grupo promete fechar aduana e cortar cercas, caso fronteira com MS não seja reaberta

Manifestantes deram prazo até o dia 30 para que decreto seja divulgado pelo governo paraguaio

Um movimento organizado por grupo autodenominado ‘Cidadãos autoconvocados’ divulgou manifesto nas redes sociais paraguaias. Nas postagens panfletárias eles ameaçam fechar definitivamente prédios públicos do Paraguai, caso a fronteira não seja reaberta até o dia 30 de setembro.

Segundo o grupo, Pedro Juan Caballero, no Paraguai e Ponta Porã, do lado brasileiro, são cidades gêmeas como laços de reciprocidade. “Vamos queimar todos os pneus e cortar o alambrado”, diz a nota que circula desde as primeiras horas da manhã sábado (26) na fronteira.

Os alvos do grupo Cidadãos autoconvocados’, são a aduana e também a administração de Navegação e Portos, que funcionam em Pedro Juan Caballero. Esses locais também foram escolhidos pelos comerciantes na manifestação realizada no dia 22, que reuniu milhares de pessoas nas cidades da cidade.

Apesar das autoridades paraguaias terem anunciado o estabelecimento de um protocolo de abertura parcial da fronteiras até o dia 29,  e que envolve o Brasil, até o momento nenhum decreto foi publicado.

Grupo promete fechar aduana e cortar cercas, caso fronteira com MS não seja reaberta
Manifesto panfletário circula nas redes sociais paraguaias. (Foto: Reprodução)

 

Grupo promete fechar aduana e cortar cercas, caso fronteira com MS não seja reaberta
Mais notícias