Após pandemia, corridas caíram 40% em Campo Grande, diz associação de motoristas de aplicativo

Motoristas temem não conseguir pagar as contas de alugueis e prestação de veículos

As corridas diárias em aplicativos de carona como Uber e 99 diminuíram cerca de 40% em Campo Grande, segundo informou nesta terça-feira (17) a Aplic-MS (Associação dos Parceiros de Aplicativos de Transporte de Passageiros e Motoristas Autônomos de Mato Grosso do Sul).

A queda no número de corridas expõe a vulnerabilidade dos motoristas que atuam na informalidade e já causa temor na categoria. Segundo o presidente da entidade, Paulo Pinheiro, a situação é preocupante e motoristas sofrerão baque financeiro.

“Motoristas que trabalham exclusivamente com a profissão, que rodam em torno de 8h a 10h por dia, em média, e que fazem 30 viagens diárias, estão em pânico. A questão é que nossos motoristas locam veículos ou pagam prestações. E agora, com essa diminuição [das corridas], não têm como pagar”, destaca.

As recomendações para evitar sair de casa, aglomerações e ficar o maior tempo possível no domicílio fazem parte de estratégia para diminuir a propagação do coronavírus. Apesar de não haver uma ordem oficial de quarentena, como em países da América do Sul e da Europa, várias entidades do poder público já suspenderam atividades, inclusive em MS.

A economia de diversos setores, inclusive no varejo, já apresenta os impactos decorrente da quedo do fluxo de consumidores. O comércio de Campo Grande amarga queda de 6% no movimento das lojas na última semana e há previsão de que, nos próximos sete dias, o recuo seja muito maior: de 20%.

A situação piora para os cerca de 25 milhões de brasileiros que atuam na informalidade, o que inclui os trabalhadores de aplicativo. Segundo o IBGE, em 2019, 41,4% da população atuava desta forma.

Estratégia

Em função da pandemia, a Uber, a principal representante do segmento de aplicativos de carona remunerada, já destacou que estará ã disposição das autoridades de saúde, inclusive, com a possibilidade de suspensão temporária de motoristas infectados ou expostos. Neste caso, esses trabalhadores terão assistência financeira por até 14 dias, enquanto as contas estiverem suspensas.

A companhia também comunicou que disponibiliza recursos para ajudar motoristas a manterem os veículos limpos, nas cidades mais afetadas pela pandemia.

Como alternativa à queda de passageiros, a companhia prevê crescimento nos serviços de delivery, inclusive para entregas de comida e de remédios, com entrega da encomenda na porta.

Após pandemia, corridas caíram 40% em Campo Grande, diz associação de motoristas de aplicativo
Mais notícias