Cotidiano / Economia

Com fronteira fechada e dólar nas alturas, comerciantes apostam em delivery para driblar crise

A divisa entre Ponta Porã e Pedro Juan Caballero, no Paraguai, está fechada há mais de um mês e o maior centro de compras dos sul-mato-grossenses está temporariamente indisponível. Tanto pela fronteira fechada como pelas lojas que estão de portas baixadas devido a pandemia do Covid-19, o novo coronavírus. Uma das formas de tentar driblar […]

Mariane Chianezi Publicado em 09/05/2020, às 07h53 - Atualizado às 19h25

Com fronteira fechada, comerciantes ficam sem renda (Foto: Porã News, Arquivo)
Com fronteira fechada, comerciantes ficam sem renda (Foto: Porã News, Arquivo) - Com fronteira fechada, comerciantes ficam sem renda (Foto: Porã News, Arquivo)

A divisa entre Ponta Porã e Pedro Juan Caballero, no Paraguai, está fechada há mais de um mês e o maior centro de compras dos sul-mato-grossenses está temporariamente indisponível. Tanto pela fronteira fechada como pelas lojas que estão de portas baixadas devido a pandemia do Covid-19, o novo coronavírus.

Uma das formas de tentar driblar a crise é fazer entregar delivery no lado paraguaio. No entanto, o serviço de entrega nas casas dos clientes não tem sido o suficiente para ajudar os comerciantes.

Conforme o presidente da Câmara de Comércio de Pedro Juan Caballero, alguns poucos lojistas estão se virando como podem e optaram em fazer entregas de diversos produtos. A esperança dos comerciantes é que a quarentena possa enfim acabar e a rotina volte ao normal.

Mas de acordo com Victor, a solução seria a abertura da fronteira, haja vista que os clientes são, na maioria, brasileiros em busca de produtos importados e mais baratos. “O faturamento está zero. Alguns fazem delivery, mas não é nada. No dia 25 de maio algumas lojas vão abrir, mas a fronteira continuará fechada”, disse.

Apesar de esperarem a abertura da fronteira com o Brasil ser liberada, os comerciantes paraguaios poderão se deparar com baixo movimento pois, o dólar, moeda americana usada nas vendas, tem ultrapassado os R$ 5,70, fazendo com que os brasileiros reflitam mais na hora de comprar.

Fronteira fechada

A fronteira do Paraguai com o Brasil foi totalmente fechada no dia 25 de março e, antes da medida dos governos, o lado paraguaio enfrentou uma quarentena de 15 dias diante do primeiro caso de Covid-19 no lado paraguaio.

Durante a quarentena, os comerciantes viram suas vendas despencarem cerca de 40% e, na ocasião, o dólar custava R$ 4,75.

Com o total bloqueio das fronteiras, militares do exército paraguaio trancaram os acessos para o Brasil no dia 25 de março. Com arame farpado e pneus, a linha internacional que é apenas uma rua que separa a cidade de Ponta Porã, a 346 km de Campo Grande, da cidade vizinha, Pedro Juan Caballero, no Paraguai, foi totalmente fechada e está sendo monitorada pelos militares.

O fechamento das fronteiras começou, inclusive, uma semana antes do bloqueio total, como medida de evitar a disseminação do novo coronavírus. O Paraguai intensificou a fiscalização nessas áreas, com medidas drásticas para impedir a passagem de estrangeiros, também minimizar o risco de contaminação. O Paraguai chegou a abrir valas na cidade de Ypejhú, na fronteira com o município sul-mato-grossense de Paranhos.

No país vizinho foi adotado toque de recolher nas cidades fronteiriças, das 20 horas da noite às 4 horas da manhã, além disso, o exército fechou rotas de entrada no país, determinou também o fechamento de estabelecimentos comerciais e escolas.

Jornal Midiamax