Publicidade

Tendência nacional: intenção de consumo do campo-grandense cai em maio

Intenção de Consumo das Famílias teve redução de 2,2 pontos

A ICF (Intenção de Consumo das Famílias) em Campo Grande atingiu 100,7 pontos neste mês, ou seja, sofreu queda de 2,2 pontos, comparado ao mês passado, conforme a pesquisa da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).

Os números reforçam o resfriamento da economia nacional e serve de orientação apra empresários agirem com cautela: embora a ICF esteja na chamada zona positiva, ou seja, acima dos 100 pontos, o indicador de compras a prazo segue em queda e indica que consumidores também estão inseguros em assumir novas despesas.

“Tivemos uma interrupção do processo de recuperação econômica que havia se intensificado no início deste ano. As preocupações acerca do futuro econômico e político deixaram o consumidor mais cauteloso”, avalia o presidente do IPF-MS (Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio MS), Edison Araújo.

Na variação mensal, os indicadores que apresentaram retração foram a avaliação do emprego atual (-2,5%), a perspectiva profissional (-,06%), indicador de compras a prazo/acesso ao crédito (-3,5%), avaliação do momento para a compra de duráveis, perspectiva de consumo (-0,3%) e o nível atual de consumo (-1,8%). Somente o indicador de renda atual obteve uma leve reação (0,9%).

Dentre os dados da pesquisa, por exemplo, está que o atual momento é considerado ruim para quase 60% das famílias para a compra de bens duráveis, tais como eletrodomésticos, TV e som. 42% das famílias que ganham até 10 salários mínimos também afirmam estar comprando menos no período.

Confira a pesquisa na íntegra clicando AQUI.

Mais notícias