Metade dos turistas que visitam MS estão dispostos a gastar R$ 1 mil

A pesquisa do Sebrae foi realizada durante um período de seis meses

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo Sebrae e a Fecomércio-MS apresentou o perfil dos turistas que visitam Mato Grosso do Sul e mostrou a intenção de gastos de quem visita os principais destinos do Estado. A pesquisa foi realizada entre agosto de 2018 e fevereiro de 2019.

Conforme o levantamento feito em Campo Grande, Corumbá e Bonito, quase metade do público que vem a MS tem a intenção de gastar R$ 1 mil. O quantitativo corresponde a 47,64% dos turistas entrevistados. Logo em seguida aparece os turistas com a intenção de gastar entre R$ 501 a R$ 1 mil, correspondente a 19,81%.

O público mais econômico foi de 14,15% e 9,43%, dispostos a “abrir a carteira” e gastar entre R$ 201 e R$ 500 e até R$ 100, respectivamente.

Para a analista técnica do Sebrae, Vanessa Shmidt, o estudo mostra possibilidades para o setor em MS, já que o turismo no estado emprega mais de 29 mil pessoas e tem atualmente 4,6 mil empresas no segmento, conforme dados do Rais (Relação Anual de Informações Sociais) do Ministério do Trabalho.

“Tanto o turismo de Bonito quanto Corumbá tem atrações mais estruturadas e que permitem que o turista tenha uma faixa maior de gastos”, disse.

Nas regiões, o turista busca por experiências e muitos conhecem o destino após indicações de amigos e familiares. “A indicação boca a boca é a que mais pesa. As pessoas com experiências marcantes citam os atrativos turísticos e a cultura regional, assim, acreditamos que a parte histórica do estado pode ser explorada. Outro ponto que percebemos é uma tendência de viagens nos feriados, ou em períodos mais curtos”, analisa a economista da Fecomércio, Daniela Dias.

Em Campo Grande, as estratégias mais utilizadas para permanecer no mercado são parcerias com outros empresários e redução de custos de operação da empresa, como redução das diárias, uso de energia fotovoltaica, entre outros.

Já em Bonito, considerado o principal destino dos turistas, os empreendimentos apostam no diferencial do atendimento e na utilização do voucher para a organização entre os segmentos. Por fim, em Corumbá, o foco fica no turismo de pesca e de fronteira com a Bolívia. O material completo da pesquisa pode ser acessado clicando aqui.

Mais notícias