Campo Grande teve inflação negativa de 4,43% em junho

Nacionalmente, país teve maior queda nos preços em 19 anos

O (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) – considerado a inflação oficial do país – registrou inflação negativa de 4,43% no mês de junho, em Campo Grande. Os dados foram divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (7). 

Nacionalmente, o foi negativo em 0,23% em junho. Esse resultado é o mais baixo para um mês de junho desde o início do plano Real e o primeiro resultado mensal negativo para qualquer mês desde junho de 2006 (-0,21%). O nunca foi tão baixo desde agosto de 1998, quando a taxa atingiu -0,51%. 

Campo Grande teve inflação negativa de 4,43% em junhoNeste mês, os três grupos de produtos e serviços que, juntos, concentram cerca de 60% das despesas domésticas – alimentação (-0,50%), habitação (-0,77%) e transporte (-0,52%) – foram os que apresentaram as quedas mais intensas. 

Os combustíveis tiveram queda de -2,84%, levando o grupo de Transportes a -0,52%, com destaque para as duas reduções seguidas no preço da gasolina, autorizadas pela Petrobras, no final de maio e em junho, além da variação de -4,66% no litro do etanol.  Em Campo Grande, a variação mensal da gasolina foi de -3,36% e de -2,13% no etanol. 

No grupo Alimentação e Bebidas, que domina 26% das despesas das famílias, houve queda de 0,50%, puxada pelos alimentos para consumo em casa, mais baratos em 0,93%. Na capital, a variação foi de -1,32% (alimentação em casa).

O é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de um a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e de Brasília. Para cálculo do índice do mês foram comparados os preços coletados no período de 01 de junho a 28 de junho de 2017 (referência) com os preços vigentes no período de 29 de abril a 31 de maio de 2017 (base).

Campo Grande teve inflação negativa de 4,43% em junho
Mais notícias