Consumidores devem evitar ir aos supermercados em família, orienta associação

Supermercados de MS não correm risco de desabastecimento, mas associação pede cautela dos clientes

A correria aos supermercados na manhã desta quinta-feira (19) surpreendeu os estabelecimentos de Campo Grande. Em casa durante ‘quarentena’ pelo Covid-19, o novo coronavírus, os moradores saíram de casa para às compras.

Apesar da demanda anormal nesta manhã, a AMAS (Associação Sul-Mato-Grossense de Supermercados) disse que MS não corre risco de desabastecimento e estabelecimentos seguem com estoques normais. Ao não ser pela falta pontual do álcool em gel. No entanto, orientou os consumidores quanto ao comportamento.

Conforme a associação, os moradores que vivem em família devem evitar irem ao supermercado juntos, justamente para evitar qualquer tipo de aglomeração e consequentemente o risco de contágio pelo novo coronavírus. Deste modo, o correto é ir um membro da família de cada vez fazer compras.

Outra orientação é que os moradores evitem ir aos estabelecimentos durante os horários de pico, pois a procura de produtos é ainda maior e os corredores ficam lotados. Além disso, a AMAS pediu para que os consumidores que forem aos supermercados, evitem ficar muito próximos dos funcionários e dos demais clientes.

Sem risco de desabastecimento

Os supermercados de Mato Grosso do Sul não enfrentam qualquer tipo de problema em relação ao abastecimento de alimentos e produtos de higiene e limpeza. Em nota, a AMAS (Associação de Sul-Mato-Grossense de Supermercados) destacou que não identificou nenhum problema de desabastecimento nas lojas do Estado.

“O que estamos enfrentando é um atraso na reposição de alguns produtos, como álcool em gel, devido à intensa procura e aquisição nos últimos dias, porém com sinalização dos principais fabricantes referente ao aumento significativo na produção deste produto”.

Segundo a AMAS-MS, os supermercados estão operando com normalidade para atender os clientes e estão prontos para aumentar o abastecimento quando houver necessidade. A associação explica que não é necessário que a população faça estoque de alimentos e produtos de higiene.

Devido à grande procura por álcool em gel, a AMAS reforçou o pedido para os que proprietários de supermercados limitem a quantidade de venda do produto por cliente para que o álcool em gel alcance o maior número de pessoas.

“Para que o vírus não se espalhe ainda mais, recomendamos que sempre que a população precise ir as lojas de supermercados vá apenas um integrante da família com uma lista dos suprimentos que se fazem necessários, para evitarmos a aglomeração de pessoas e a possível transmissão da doença”.

Mais notícias