VÍDEO: Família de MS flagra meleca no molho de tomate e empresa diz que é bolor

Cliente procurou SAC da empresa, que posicionou que bolor pode ter sido causado por avaria na embalagem ou até pelo condicionamento do produto na geladeira

Uma família campo-grandense denuncia ter encontrado um corpo estranho em um sachê de molho de tomate da marca Fungini. O fato ocorreu na última semana e causou indignação da família, que chegou a consumir parte do produto durante o jantar.

De acordo com a denúncia, o molho de tomate foi adquirido num supermercado na região do bairro Tarumã, no último dia 5, em Campo Grande, e foi utilizado parcialmente no preparo do jantar da família no dia seguinte.

“A gente colocou o restante na geladeira e dois dias depois fomos utilizar, mas não saia o molho. Aí eu abri a embalagem e a gente viu que o molho não saia porque tinha uma coisa dentro, preta, parecia um resto de animal. Na hora a gente ficou muito enojado, toda vez que a gente ia comer desistia, porque lembrava daquilo”, conta o agente da saúde Fernando Martins Paiva, de 39 anos.

Paiva afirma que procurou o SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) na quarta-feira passada (9) e que foi posicionado de que não se tratava de restos de um animal, mas de bolor ocasionado ou por mal armazenamento ou por alguma avaria na embalagem. Para ele, a resposta é insatisfatória.

“Não acho que seja normal. Várias vezes guardamos molho na geladeira e isso não tinha acontecido. O produto está aqui em casa, guardei numa embalagem e coloquei no congelador para quem quiser examinar”, pontuou.

Ressarcimento

A reportagem procurou a marca e solicitou posicionamento acerca da denúncia. Por telefone, o SAC da Fungini destacou que, conforme análise de vídeo enviado pelo cliente, o corpo estranho trata-se certamente de bolor, que pode ter sido ocasionado por um microfuro, fissura na embalagem e até pelo condicionamento do produto na geladeira.

Segundo a empresa, o bolor foi ocasionado pelo contato do produto com o ar, quando há rompimento da hermeticidade da embalagem, e trata-se de um caso isolado, de forma que não será necessário o recolhimento do lote do produto. A Fungini pontuou que prestou esclarecimentos ao cliente e que ele deverá ser ressarcido.

“Não há risco no lote, porque é uma situação pontual”, comunicou a empresa. “Realizamos o cadastro do senhor Fernando, explicamos a situação e o ressarcimento ou reposição já se encontra no nosso setor de expedição, para ser enviado pelos Correios”, acrescentou.

A empresa ainda pontuou que em casos como o relatado, em que haja eventual avaria na embalagem, o consumo do produto não é recomendado e o cliente deve procurar o SAC para providências. A Fungini também reforçou que o consumo recomendado do produto após abertura da embalagem é de até dois dias.

WhatsApp: fale com os jornalistas do Midiamax

à reportagem que você leu foi produzida a partir de informações enviadas ao WhatsApp do Jornal Midiamax, pelo número (67) 9 9207-4330. O canal de comunicação serve para os leitores falarem com os jornalistas. Flagrantes inusitados, denúncias, reclamações e sugestões podem ser enviados com total sigilo garantido pela lei.

Mais notícias