Moradores deverão gastar em média R$ 154 com presentes no Dia das Crianças

Data deverá injetar R$ 131,8 milhões na economia do Estado, estima Fecomércio

Os moradores de Mato Grosso do Sul já preparam o bolso para desembolsar ‘a grana’ para o Dia das Crianças e, segundo pesquisa da Fecomércio, a data deverá injetar R$ 131,8 milhões na economia do Estado e a população deverá gastar em média R$ 154 com presentes para as crianças.

Conforme os dados da IFPD (Instituto Fecomércio de Pesquisas e Desenvolvimento), 74% do valor, R$ 97,18 milhões, deverão ser gastos com presentes; enquanto 26%, R$ 34,74 milhões, deverão ser injetados nas compras em comemorações.

Em relação ao ano passado, as intenções de compras de presentes cresceram 9%, enquanto as intenções de compras para as comemorações tiveram redução de -15%, que neste ano é de R$ 109,58.

Daniela Teixeira Dias, economista da Fecomércio, disse que as famílias até abrem mão das comemorações para reduzir os gastos, mas não deixam de presentear. “Neste ano percebemos um aumento no número de pessoas que vão presentar e do gasto médio com presente”, disse.

Além disso, 81% das pessoas que vão presentar, vão comprar à vista com dinheiro ou no cartão de débito. E a pesquisa ainda apurou que 71% do público deverá pesquisar os preços antes de ir às compras. Entre os favoritos para os presentes, estão os brinquedos (47%), roupas (24%) e calçados (7%).

Neste ano, a Fecomércio também conversou com o público mais velho, acima de 70 anos. O resultado da pesquisa entre o público indicou que deverão ir às compras e gastarão em média R$ 200.

Vanessa Schmidt, representante do Sebrae durante a divulgação da pesquisa, orientou os lojistas a ficarem atentos e já ir pensando nas próximas datas comemorativas, como o Natal. “Esse é um ótimo momento para o lojista negociar com o seu fornecedor, e conseguir fazer suas compras a prazo e vender ao cliente a vista de forma que ele lhe garanta um capital de giro para as compras de final de ano para a manutenção desse estoque para se preparar”.

Mais notícias