Publicidade

Mercado no Itamaracá é flagrado com 220 kg de queijo vencido

Além dos queijos, Procon-MS identificou enorme lista de irregularidades

Um mercado localizado no bairro Jardim Itamaracá foi autuado pelo Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor) após ser flagrado com 220 kg de queijo muçarela vencido, além de diversas outras irregularidades, na última sexta-feira (29).

No total, a fiscalização do Procon-MS identificou 44 unidades de queijo muçarela com 5 kg, cada, totalizando 220 kg, todas com data de validade vencida. Na mesma condição (vencidos), foram identificadas 28 embalagens de 200 g de requeijão; 17 potes de mel de abelha com aproximadamente um 1 kg, cada; e mais 3 garrafas do mesmo produto sem informação de procedência ou validade.

Os fiscais também identificaram embalagens de ervilhas congeladas, leite caipira, granola, pão caseiro, biscoito integral e creme de queijo. Entre os produtos, vários deles com vencimento em janeiro e fevereiro deste ano.

Além disso, vários produtos sem qualquer especificação de validade ou procedência, também estavam nas gôndolas para comercialização. Entre estes, pães caseiros, para cachorro-quente e francês, doce de leite com amendoim, muçarela, apresuntado, bolonhesa defumada, leite pasteurizado, peito de peru fatiado, mortadela fatiada, chipa congelada e produtos para panificação.

Na lista de irregularidades consta, ainda, diversos produtos sem especificação de data de fabricação ou procedência. Estavam irregulares, sem condições de consumo, bolonhesa defumada, leite pasteurizado, peito de peru, mortadela, refrigerantes, e massa para pastel, entre outros.

De acordo com o Procon-MS, todos os materiais impróprios foram descartados pela fiscalização na presença de representante do estabelecimento autuado. Com relação ao mel de abelha, todas as unidades foram encaminhadas para a Delegacia de Defesa do Consumidor (Decon), uma vez que não constava informação da existência do serviço de inspeção federal, estadual ou municipal nos rótulos.

O Procon-MS não informou o nome do estabelecimento.

Mais notícias