Cotidiano

Três Lagoas reforça restrições e proíbe missas e cultos presenciais por dez dias

Além de vetar missas e cultos, prefeitura ainda proibiu circulação de pessoas em parques, áreas de lazer e recreação e em condomínios.

Jones Mário Publicado em 27/03/2021, às 09h02

Templo religioso em Três Lagoas (Foto: Reprodução/Facebook/Diocese de Três Lagoas)
Templo religioso em Três Lagoas (Foto: Reprodução/Facebook/Diocese de Três Lagoas) - Templo religioso em Três Lagoas (Foto: Reprodução/Facebook/Diocese de Três Lagoas)

A prefeitura de Três Lagoas decidiu reforçar as medidas de restrição impostas no mais recente decreto estadual para frear a disparada de casos, internações e mortes pela covid-19. A administração do município suspendeu, por dez dias, reuniões, missas, cultos ou celebrações religiosas presenciais.

O decreto municipal vigora desde ontem (26) e também especifica proibição ao funcionamento e à circulação de pessoas em parques, áreas de lazer e recreação públicas e em condomínios. As regras valem até o dia 4 de abril.

A decisão pelas medidas complementares saiu de reunião do Comitê de Enfrentamento à Covid-19, realizada na última quinta-feira (25). Segundo divulgou a prefeitura três-lagoense, o diretor técnico do Hospital Auxiliadora, Francisco Claro de Oliveira, falou sobre a falta de insumos, medicamentos e profissionais de Saúde na cidade durante o encontro.

Três Lagoas também já suspendeu as feiras livres e de peixe. A medida também permanece até 4 de abril.

A restrição a atividades religiosas costuma ser polêmica. No ano passado, a Anajure (Associação Nacional de Juristas Evangélicos) ajuizou ação no STF (Supremo Tribunal Federal) para derrubar decretos municipais – um deles de Rio Brilhante – que vetaram missas, cultos e celebrações.

Baixado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) na última quarta-feira (24), o novo decreto estadual determinou o fechamento de atividades não essenciais e toque de recolher das 16h às 5h aos finais de semana.

As restrições foram impostas para reduzir a circulação de pessoas e, consequentemente, o contágio em massa pelo vírus. O Estado bateu recordes de internações e mortes pela doença nesta semana.

O cumprimento do decreto é fiscalizado pela Polícia Militar, bem como Corpo de Bombeiros e Polícia Civil. Qualquer pessoa pode denunciar irregularidades pelo telefone 190.

Jornal Midiamax