Cotidiano

Educadores querem apoio de vereadores contra volta das aulas presenciais em MS

Devido à pandemia de coronavírus e ao risco de infecção nas salas de aula, trabalhadores da educação têm se posicionado contra o retorno às aulas presenciais em Mato Grosso do Sul. Pesquisa da Fetems (Federação dos Trabalhadores da Educação de Mato Grosso do Sul) aponta que 92% dos profissionais são contra o retorno das aulas […]

Mylena Rocha Publicado em 25/02/2021, às 10h37 - Atualizado às 11h53

(Foto Ilustrativa: Henrique Arakaki, Midiamax)
(Foto Ilustrativa: Henrique Arakaki, Midiamax) - (Foto Ilustrativa: Henrique Arakaki, Midiamax)

Devido à pandemia de coronavírus e ao risco de infecção nas salas de aula, trabalhadores da educação têm se posicionado contra o retorno às aulas presenciais em Mato Grosso do Sul. Pesquisa da Fetems (Federação dos Trabalhadores da Educação de Mato Grosso do Sul) aponta que 92% dos profissionais são contra o retorno das aulas presenciais ou semipresenciais. 

Pesquisa feita pela Fetems com 8,1 mil profissionais da educação apontou que 92% são contra o retorno às aulas presenciais, enquanto somente 6,95% são a favor – o restante dos entrevistados não souberam opinar ou deram outras sugestões. Nos municípios, os sindicatos de trabalhadores do setor pedem apoio dos vereadores. Somente nesta semana, sindicatos de diversas cidades estiveram em câmaras municipais para falar sobre a situação.

O presidente da ACP (Sindicato Campo-Grandense de Profissionais da Educação Pública) Lucílio Nobre ocupou a tribuna da Câmara Municipal de Vereadores de Campo Grande nesta semana para defender o retorno das aulas presenciais com segurança. Ele disse que não é possível comparar a realidade das escolas públicas com as privadas. 

“Nós não temos clientes, nós temos uma relação intensa e fundamental entre educadores e alunos. A rotina presencial nas escolas públicas reunirá mais de 400 mil crianças e jovens, além de profissionais da educação, por mais de 4 horas, até 7 horas diárias. Quem vai se responsabilizar pela vida e a saúde dessas pessoas?”, questionou.

Na última terça (23), a presidente do Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação) de Coxim, Mara Núbia dos Santos usou a tribuna da Câmara para pedir apoio dos vereadores, para que os profissionais de educação só retornem às aulas presenciais quando vacinados. 

O Presidente do Simted de Naviraí, Marcio Albino fez uso da tribuna e também disse que os profissionais deveriam voltar às aulas presenciais somente após a imunização. “Com 100% dos leitos ocupados, pacientes aguardando internação, pessoas desobedecendo o decreto municipal e fazendo aglomerações, autoridades da Saúde não descartam lockdown. Diante desta situação torna-se impossível o retorno das aulas presenciais”, disse na Câmara de Naviraí na terça (23).

Sindicatos de profissionais da educação em Eldorado, Sidrolândia, Antônio João, Bataguassu e outros municípios também pediram apoio de vereadores.

Jornal Midiamax