Cotidiano

SES solicita envio de 30% a mais de vacinas contra Covid-19 para municípios de fronteira

A SES (Secretaria de Estado de Saúde) solicitou ao Ministério da Saúde o envio de 30% a mais de doses da vacina contra coronavírus para atender 13 municípios que fazem fronteira com países vizinhos. O pedido tem como objetivo implementar ações preventivas devido a pandemia da Covid-19 em Mato Grosso do Sul. O secretário de […]

Fábio Oruê Publicado em 29/03/2021, às 18h29

Vacinas Covishield e CoronaVac | Foto: Edemir Rodrigues | Subcom-MS
Vacinas Covishield e CoronaVac | Foto: Edemir Rodrigues | Subcom-MS - Vacinas Covishield e CoronaVac | Foto: Edemir Rodrigues | Subcom-MS

A SES (Secretaria de Estado de Saúde) solicitou ao Ministério da Saúde o envio de 30% a mais de doses da vacina contra coronavírus para atender 13 municípios que fazem fronteira com países vizinhos. O pedido tem como objetivo implementar ações preventivas devido a pandemia da Covid-19 em Mato Grosso do Sul.

O secretário de Saúde, Geraldo Resende, disse que MS tem especificidades que precisam ser levadas em consideração pelo ministério em relação à estimativa populacional prevista pelo PNI (Plano Nacional de Imunização), como o fato do Estado fazer fronteira com Paraguai e Bolívia.

“Nesses municípios a dupla nacionalidade faz com que recebamos paraguaios e bolivianos em nossas cidades fronteiriças, gerando um acréscimo populacional a ser imunizado, aquém da estimativa estabelecida pelo Ministério da Saúde, cuja situação resulta na escassez de imunizantes para ser aplicada nesse grupo excedente não previsto”, explicou Resende.

Por exemplo, em Ponta Porã, que faz divisa seca com Pedro Juan Caballero (PY), residem 93.937 habitantes (segundo o IBGE), porém possuem em torno de 130 mil pessoas cadastradas no Sistema Nacional do SUS, devido a existência de brasileiros que residem na faixa de fronteira no país vizinho, bem como, a população flutuante de estudantes brasileiros de vários estados que residem temporariamente naquele município e no lado vizinho, para cursarem as universidades particulares paraguaias, devido ao baixo custo da mensalidade cobrada pelas mesmas.

O mesmo acontece em Corumbá, onde estudantes brasileiros de vários estados, cursam faculdade na cidade fronteiriça de Porto Quijarro, na Bolívia, e buscam por vacinação no território estadual.

Com o objetivo de atender  a população excedente não prevista no PNI foi solicitado a ampliação do número de doses em 30% para os municípios de Corumbá, Ponta Porã, Mundo Novo, Japorã, Sete Quedas, Paranhos, Coronel Sapucaia, Aral Moreira, Antônio João, Bela Vista, Caracol e Porto Murtinho.

Jornal Midiamax