Primeira etapa da vacinação contra a Covid-19 em Campo Grande deve durar até 2 semanas

Profissionais de Saúde de hospitais que lidaram com pacientes com o coronavírus são a ‘prioridade da prioridade’ na vacinação

Com o recebimento das doses da ainda nesta segunda-feira (18), a Saúde de Campo Grande espera iniciar a campanha de vacinação contra o novo coronavírus (Covid-19), focada em profissionais de Saúde e idosos em instituições de longa permanência, às 8h desta terça (19) e concluir a primeira rodada da imunização em até 2 semanas.

A informação partiu do secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, em coletiva momentos antes da chegada da aeronave com os imunizantes destinados ao Estado. Segundo ele, a vacinação começará pelos profissionais de Saúde dos 3 maiores hospitais de Campo Grande: Santa Casa, Hospital Regional e Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian.

Também estão contemplados nesta primeira rodada os dois maiores asilos de Campo Grande, e as UPAs. A estratégia completa ainda depende do volume de doses que o município receberá –dentro do universo de 158 mil reservadas a Mato Grosso do Sul, sendo 97 mil inicialmente destinadas a indígenas e 61 para a população em geral, conforme o Ministério da Saúde.

A vacinação será feita totalmente com equipes volantes, já que, conforme prevê José Mauro, “não devem haver doses suficientes para abrir a vacinação nas Unidades de Saúde”. O quantitativo deve ser definido ainda nesta segunda-feira, após as vacinas darem entrada no Almoxarifado do Governo do Estado. Profissionais do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) também serão imunizados.

O secretário reitera que apenas os grupos prioritários desta fase receberão a vacina, por isso, a população não deve procurar as unidades de Saúde para ser imunizada neste momento.

Após os 3 hospitais, UPAs, equipe do Samu e asilos, as equipes volantes seguirão para outros hospitais que atuaram junto a rede pública recebendo pacientes de Covid-19, para vacinar profissionais de Saúde –Pênfigo, El Kadri, Clínica Campo Grande e Proncor, que contratualizaram a cessão de leitos de UTI para pacientes com Covid-19, e o Hospital de Câncer Alfredo Abrão, que serviu de retaguarda. “A oncologia também é uma questão à parte”, frisou o secretário.

Profissionais das demais Unidades de Saúde da cidade também integram essa fase da imunização.

Profissionais de Saúde de hospitais que lidaram com pacientes com o coronavírus são a ‘prioridade da prioridade’ na vacinação
Aeronave com doses da descarregou na Base Aérea. (Foto: Marcos Ermínio)

O Hospital da Unimed e o Hospital Cassems, que também atenderam grande demanda de infectados, terão suas equipes imunizadas a partir de quarta-feira, data em que originalmente começaria a campanha de vacinação –antecipada pelo Ministério da Saúde.

José Mauro estima que a rodada de vacinação deve demorar “em torno de uma semana a duas”, abrangendo pelo menos 20 mil doses aplicadas. O secretário também advertiu que o Ministério da Saúde orientou os municípios a já reservarem, no carregamento entregue nesta segunda-feira, quantidade de vacinas suficientes para a segunda dose –isto é, caso fossem entregues apenas 10 mil doses, seriam 5 mil pessoas imunizadas.

A segunda dose deve ser aplicada entre 2 e 4 semanas da primeira.

Sobre a redução dos grupos prioritários nesta primeira fase, José Mauro salientou que “estamos, na verdade, dividindo a prioridade da prioridade devido a quantidade de doses”. A preferência pelos profissionais de Saúde se dá pelo fato de serem os trabalhadores mais expostos à contaminação, durante seu trabalho –correndo risco por conta da doença e também de a transmitir. E, neste caso, aqueles que lidam com pacientes de Covid encabeçam a fila de imunização.

“A orientação do Ministério da Saúde é que se vacine primeiro o profissional da linha de frente, com contato com pacientes de Covid”, detalhou.

Já os idosos costumam integrar o grupo de maior risco de desenvolver complicações graves da Covid-19.

O quantitativo de doses da vacina contra o coronavírus é entrave, também, para o andamento das demais estratégias de imunização na Capital. A Sesau estuda implantar um polo de vacinação, que pode ser instalado no Guanandizão, e um drive-thru para pessoas com dificuldade de locomoção –o que atenderia, por exemplo, idosos acima de 75 anos, outro grupo considerado prioritário, mas que neste momento não receberá as doses.

Primeira etapa da vacinação contra a Covid-19 em Campo Grande deve durar até 2 semanas
Mais notícias