Cotidiano

Comunidades de Corguinho dependem de improviso para escapar do isolamento após tempestades

Nove dias após ser assolada por uma tempestade histórica que deixou rastro de destruição, a prefeitura de Corguinho – a 96 km de Campo Grande, recuperou provisoriamente alguns acessos para permitir que as famílias quilombolas que estavam isoladas possam ter acesso à cidade. Conforme o coordenador da Defesa Civil de MS, Fábio Catarinelli, as equipes […]

Gabriel Maymone Publicado em 25/02/2021, às 11h22 - Atualizado às 16h57

Momento em que moradores resgatam criança que estava presa em água invadida pela água em Corguinho. (Imagem: Reprodução)
Momento em que moradores resgatam criança que estava presa em água invadida pela água em Corguinho. (Imagem: Reprodução) - Momento em que moradores resgatam criança que estava presa em água invadida pela água em Corguinho. (Imagem: Reprodução)

Nove dias após ser assolada por uma tempestade histórica que deixou rastro de destruição, a prefeitura de Corguinho – a 96 km de Campo Grande, recuperou provisoriamente alguns acessos para permitir que as famílias quilombolas que estavam isoladas possam ter acesso à cidade.

Conforme o coordenador da Defesa Civil de MS, Fábio Catarinelli, as equipes estaduais auxiliam para que o município produza relatório que será enviado na semana que vem para reconhecimento de situação de emergência por parte da União. “Assim, poderá [o município] buscar recursos para reconstrução, pois fizeram pontes temporárias”, informou.

Corguinho
Supercélula registrada no dia em que tempestade devastou Corguinho. (Foto: Fala Povo, Midiamax)

Tempestade histórica

Os estragos causados pela chuva fizeram a prefeitura de Corguinho decretar situação de emergência na quinta-feira (18). 

Na mesma edição do Diário Oficial de Corguinho foi publicado um parecer técnico sobre os danos causados pelo desastre natural. Assim, as chuvas intensas resultaram no aumento rápido dos “níveis de diversos rios e córregos, provocando enxurradas e alagamentos, destruição e danificação de ruas, estradas, pontes e tubulações”.

Os danos foram encontrados em propriedades públicas e privadas. Então, três pontes da região foram consideradas destruídas após as chuvas. A ponte sobre o córrego Formiga, a do córrego São Jerônimo e a do córrego Barreirinho foram arrastadas pela correnteza das águas e totalmente danificadas. As três ficaram intransitáveis.

Já a ponte da região do Cruzeirinho registrou apenas o deslocamento, pois as manilhas foram arrastadas pela correnteza do córrego. Por fim, o município considera que diversas ruas e vias periféricas foram afetadas com a chuva forte. Assim, também foram inclusas no relatório de danos do desastre.

Não foi informado quais os valores dos prejuízos individualmente ou balanço total atualizado. Entretanto, na última quarta-feira (16), a prefeita havia afirmado que é estimado danos de R$ 1 milhão em toda a cidade.

Jornal Midiamax