Cotidiano

Prefeitura busca alternativas para coleta do lixo eletrônico em Dourados

O destino do lixo eletrônico produzido pelos douradenses  fez parte de uma reunião entre o prefeito Alan Guedes, e o diretor da Associação dos Recicladores de Resíduos Eletrônicos, de Campo Grande, Edilson Paulon, para tratar sobre uma parceria para recolhimento dos itens. O diretor-presidente do Imam , (Instituto de Meio Ambiente Municipal), Rudolf Guimarães da […]

Marcos Morandi Publicado em 05/03/2021, às 12h08

Prefeito de Dourados estuda propostas viáveis.(Foto: Leandro Silva)
Prefeito de Dourados estuda propostas viáveis.(Foto: Leandro Silva) - Prefeito de Dourados estuda propostas viáveis.(Foto: Leandro Silva)

O destino do lixo eletrônico produzido pelos douradenses  fez parte de uma reunião entre o prefeito Alan Guedes, e o diretor da Associação dos Recicladores de Resíduos Eletrônicos, de Campo Grande, Edilson Paulon, para tratar sobre uma parceria para recolhimento dos itens.

O diretor-presidente do Imam , (Instituto de Meio Ambiente Municipal), Rudolf Guimarães da Rocha ressaltou a importância da destinação correta para esses produtos. “É muito comum vermos televisores antigos abandonados em pontos indevidos, o problema desses materiais são os metais pesados que acabam contaminando o meio ambiente, podendo chegar até o nosso lençol freático”, relatou.

“São resíduos com alto potencial de toxidade e as práticas inadequadas de descarte acabam potencializando a questão da contaminação, por isso vamos avaliar formas de garantir ações que promovam o descarte correto”, informou Alan Guedes.

A proposta é que haja uma campanha com um ponto de recolhimento, para diferentes tipos de materiais, com exceção de pilhas, lâmpadas e toner, já que esses possuem uma legislação específica para descarte. “Hoje não temos um local adequado, e principalmente, licenciado, para ofertar esse serviço à população, por isso a parceria com a Associação é importante”, garantiu Rocha.

A associação devolve cerca de 40% do que é reaproveitado para a sociedade, para entidades assistenciais, por exemplo. Outra parte fica para manter a instituição, revendendo para grandes indústrias.  Segundo Paulon, a última ação que aconteceu em Dourados recolheu, em três dias, quatro caminhões de lixo eletrônico.

Jornal Midiamax