Cotidiano

MPMS, MPT e MPF de Três Lagoas emitem nota à população alertando sobre colapso na saúde

O MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), MPF (Ministério Público Federal) e MPT (Ministério Público do Trabalho) de Três Lagoas, emitiram nota à população alertando sobre colapso que a saúde tem enfrentado e sobre o pior momento da pandemia no estado. Em nota, assinada pelos três ministérios, é pedido para os moradores a […]

Mariane Chianezi Publicado em 26/03/2021, às 15h56

. (Foto: Divulgação, PMTL)
. (Foto: Divulgação, PMTL) - . (Foto: Divulgação, PMTL)

O MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), MPF (Ministério Público Federal) e MPT (Ministério Público do Trabalho) de Três Lagoas, emitiram nota à população alertando sobre colapso que a saúde tem enfrentado e sobre o pior momento da pandemia no estado.

Em nota, assinada pelos três ministérios, é pedido para os moradores a compreensão da situação na cidade e que se trata de uma gravidade. A nota pontua os 323 casos confirmados do vírus em um único dia e os 111 óbitos registrados.

“O sistema de saúde de nosso município está em colapso. Em que pese o aumento de leitos hospitalares, hoje contamos com 30 leitos de UTI só para Covid-19, a ocupação é total, não havendo mais leitos disponíveis para internação e tratamento da Covid-19, seja enfermaria ou UTI, seja pública ou privada  na cidade de Três Lagoas. Não há mais vagas”, pontua nota.

A nota ainda alerta que na cidade existe uma fila de espera para internação de pessoas infectadas pelo coronavírus e que há a escassez de medicamentos sedativos no mercado nacional. Ou seja, as pessoas podem morrer por falta de medicamentos.

“A ampliação de novos leitos está muito difícil pois não há profissionais da saúde suficiente para atender a demanda, além da dificuldade de insumos e medicamentos”, diz trecho de nota.

Os ministérios orientam os moradores a seguirem com as regras do decreto estadual, que limita atividades e circulação de pessoas para tentar conter o vírus. “Entende-se toda dificuldade a de vinda das restrições, mas é importante esclarecer a imperiosa necessidade das medidas para salvar vidas, pois já ouvi o colapso do sistema de saúde local”, afirmou.

Jornal Midiamax