Cotidiano

Mato Grosso do Sul tem 1,5 mil novos casos de covid-19 e mais 34 mortes, aponta boletim

Campo Grande confirmou mais 299 casos de covid-19. Mulher de 27 anos, sem comorbidades, está entre as novas mortes provocadas pela doença.

Jones Mário Publicado em 27/03/2021, às 11h20 - Atualizado em 28/03/2021, às 10h21

Ambulância no pátio do HRMS, em Campo Grande (Foto: Leonardo de França/Midiamax)
Ambulância no pátio do HRMS, em Campo Grande (Foto: Leonardo de França/Midiamax) - Ambulância no pátio do HRMS, em Campo Grande (Foto: Leonardo de França/Midiamax)

Mato Grosso do Sul registrou mais 1.507 casos de covid-19, segundo boletim de hoje (27) divulgado pela SES (Secretaria de Estado de Saúde). Além disso, a doença vitimou mais 34 pessoas.

De acordo com a SES, já são 210.002 casos confirmados de covid-19 no Estado, bem como 4.078 óbitos causados pela doença.

Metade das novas mortes são de Campo Grande – 17. Entre elas, a de uma mulher de 27 anos sem comorbidades relatadas.

Os demais óbitos foram em Aquidauana, Jaraguari, Eldorado, Santa Rita do Pardo, Ponta Porã, Três Lagoas, Naviraí, Chapadão do Sul, Glória de Dourados, Coxim, Costa Rica, Bela Vista e Camapuã.

Já entre os novos casos, 299 são de Campo Grande. Três Lagoas confirmou mais 219 contaminações. Dourados somou outras 140 ocorrências.

Ainda conforme a SES, os hospitais de Mato Grosso do Sul têm 1.083 pessoas internadas com covid-19. Destas, 448 em leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

A taxa de ocupação global de leitos para pacientes graves está em 105% na macrorregião de Campo Grande, ou seja, acima da capacidade do sistema. A região de Corumbá opera com 100% dos leitos ocupados. Três Lagoas tem taxa de 95%, ao passo que, em Dourados, o índice é de 90%.

Veja aqui o boletim completo.

Decreto impôs restrições para frear disparada de casos e mortes

Vigora desde ontem (26), com validade até 4 de abril, decreto estadual que impõe restrições a fim de frear o recrudescimento da pandemia de covid-19. O toque de recolher nos finais de semana começa às 16h. As atividades consideradas não essenciais estão proibidas.

As restrições foram impostas para reduzir a circulação de pessoas e, consequentemente, o contágio em massa pelo vírus. O Estado bateu recordes de internações e mortes pela doença nesta semana.

O cumprimento do decreto é fiscalizado pela Polícia Militar, bem como Corpo de Bombeiros e Polícia Civil. Qualquer pessoa pode denunciar irregularidades pelo telefone 190.

Jornal Midiamax