Cotidiano

Fevereiro fecha com 680 focos de calor registrados e maior parte no Pantanal de MS

O monitoramento de focos de calor, com possibilidade de queimada, do IHP (Instituto do Homem Pantaneiro) foi divulgado, nesta terça-feira (2). No levantamento aponta que o mês soma 680 registros em Mato Grosso do Sul, sendo os maiores números de atenção no Pantanal de Corumbá. Conforme o balanço, a análise apontou 161 focos de calor […]

Karina Campos Publicado em 03/03/2021, às 12h02

Área destruída pelo fogo no Pantanal do Rio Negro (Foto: Divulgação/PMA)
Área destruída pelo fogo no Pantanal do Rio Negro (Foto: Divulgação/PMA) - Área destruída pelo fogo no Pantanal do Rio Negro (Foto: Divulgação/PMA)

O monitoramento de focos de calor, com possibilidade de queimada, do IHP (Instituto do Homem Pantaneiro) foi divulgado, nesta terça-feira (2). No levantamento aponta que o mês soma 680 registros em Mato Grosso do Sul, sendo os maiores números de atenção no Pantanal de Corumbá.

Conforme o balanço, a análise apontou 161 focos de calor nos 15 primeiros dias de fevereiro, outros 140 no Pantanal do Estado vizinho, em Mato Grosso. Já nos dias 16 a 28 do mês, o número saltou para 519 em MS, sendo 435 dos registros em Corumbá.

Outros municípios do Estado que também registraram intensidade de calor foram Aquidauana, Ladário, Porto Murtinho e Rio Verde.

Fevereiro fecha com 680 focos de calor registrados e maior parte no Pantanal de MS
Balanço IHP. (Foto: Divulgação)

O Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima), divulgaram o prognóstico do mês, a expectativa é que março seja mais chuvoso do que o mesmo período do ano passado, onde cerca de 125 a 200 milímetros com os maiores acumulados se concentrando nos setores norte e nordeste do Estado.

Em 2020, o Pantanal registrou a margem histórica de incêndios que devastaram o bioma pantaneiro. O Rio Paraguai ainda está voltando a normalidade, mas ainda não atingiu cheia neste ano.

Jornal Midiamax