Energisa é cobrada por ‘apagões’ e deixar cidade em MS no escuro por mais de 48h

Vereadores cobraram explicação do diretor-presidente da concessionária

Vereadores de Costa Rica, município distante 398 km de Campo Grande, enviaram ofício ao presidente da – concessionária responsável pelo fornecimento de energia na cidade – pedindo informações sobre sucessão de apagões e que demorou mais de 48 horas para ser restabelecida.

Conforme o documento, os vereadores também cobram o diretor da concessionária a adotar providências a fim de melhorar o atendimento da área rural do município.

Segundo relatado no ofício, no dia 04 de janeiro, houve um total em Costa Rica, que durou praticamente a tarde toda e afetou inteiramente as zonas urbana e rural do município. O mesmo episódio repetiu-se no dia 08 de janeiro, sexta-feira, quando novamente a cidade enfrentou um novo “”, que também persistiu praticamente a tarde inteira.

Em ambas as ocasiões todo o comércio da cidade foi afetado e vários estabelecimentos chegaram a fechar duas vezes mais cedo na mesma semana ante a elétrica nessas datas. A situação causou transtornos e prejuízos para a população como a ausência de sinal de celular na cidade, impossibilidade de uso do cartão de crédito/débito e da realização de serviços e tarefas que requerem o uso de energia elétrica, por exemplo.

Moradores da zona rural alegam que ficam sem energia por mais de 48h em diversas ocasiões, pois a Energisa demora para realizar a manutenção da rede elétrica que abastece sítios e fazendas do município, devido a interrupção do fornecimento de luz provocadas, principalmente, por chuvas e ventos.

‘Instabilidade’ em usina acarretou , informou distribuidora

À reportagem, a assessoria da informou que a concessionária não havia sido formalmente notificada sobre o ofício expedido pela Câmara de Costa Rica.

Quanto às interrupções no fornecimento de energia que afetaram a região do município desde o fim de 2020, a distribuidora os atribui a um problema externo ao seu sistema: elas seriam resultado da instabilidade na usina que fornece eletricidade à que, por sua vez, a distribui.

Por conta da situação, foi acionado um plano de contingência secundário para a região, que é mais suscetível a problemas climáticos –como as chuvas intensas, ventos e raios que atingem o Estado desde o fim do ano passado. Ainda segundo a , manobras internas foram realizadas na usina fornecedora e a distribuição foi normalizada na região de Costa Rica. (Colaborou Humberto Marques)

*Matéria alterada às 13h15 para inserção do posicionamento da

Energisa é cobrada por 'apagões' e deixar cidade em MS no escuro por mais de 48h
Mais notícias