Cotidiano

Emha afirma que famílias de área desocupada da Vila Fernanda não têm cadastro de habitação

Máquinas iniciaram, nesta segunda-feira (29), a desocupação de uma área invadida na Rua Flora do Pantanal, na Vila Fernanda. Famílias que moram em barracões do local já estão sem abastecimento de água e luz. A área pertence a uma empresa privada e foi invadida recentemente. Uma mãe de três crianças, que preferiu não se identificar, […]

Karina Campos Publicado em 29/03/2021, às 12h09 - Atualizado às 12h15

Patrolas removendo a caixa d'água. (Foto: Leitor Midiamax)
Patrolas removendo a caixa d'água. (Foto: Leitor Midiamax) - Patrolas removendo a caixa d'água. (Foto: Leitor Midiamax)

Máquinas iniciaram, nesta segunda-feira (29), a desocupação de uma área invadida na Rua Flora do Pantanal, na Vila Fernanda. Famílias que moram em barracões do local já estão sem abastecimento de água e luz.

A área pertence a uma empresa privada e foi invadida recentemente. Uma mãe de três crianças, que preferiu não se identificar, conta que junto ao ex-marido, construíram um barraco, porém, ele a abandonou com os filhos e sem condições de um novo lar não sabe o que fazer.

“Moramos aqui há 7 anos, a fábrica disse que vai pegar (área) de volta. Eu e ele (ex-marido), tínhamos uma horta, mas ele me abandonou e eu não sei o que fazer agora, já que tenho três crianças. Eles já estão passando a patrola e tiraram a caixa d’água”, reclama.

De acordo com a Emha (Agência Municipal de Habitação de Campo Grande), não há programas habitacionais previstos para atendimento a invasão que é recente. “Conforme as diretrizes da Política Municipal de Habitação de Interesse Social, já que há milhares de famílias que aguardam de maneira legal, via cadastro e habilitação ao sorteio, o recebimento do benefício social”, informa em nota.

Jornal Midiamax