Em 2º dia de Enem, engenheiro de 73 anos tenta Medicina e estudantes relatam apreensão com prova

Exame é feito depois de quase um ano sem aula presencial

De máscaras e com expectativas, estudantes começam a chegar para a segunda etapa do (Exame Nacional do Ensino Médio) neste domingo (24), em Campo Grande. Os portões abriram às 10h30 de e fecharam às 12 horas, para início da prova que vai conter questões de química, física, biologia e matemática.

No Estado, 135 escolas foram disponibilizadas para realização do exame, contudo houve reclamação sobre desorganização e aglomeração, sobretudo na primeira etapa, feita no domingo (17). Hoje, os estudantes relataram sobre foco nos estudos depois de quase um ano sem aula presencial.

Em 2º dia de Enem, engenheiro de 73 anos tenta Medicina e estudantes relatam apreensão com prova
Maria Clara ao chegar para prova. (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax).

“Tem que ter rotina pra estudar, não é fácil”, afirmou Maria Clara Vega Calixto, 17 anos. Apesar disso, ela afirma que gosta de estudar e já tinha o hábito em casa. Para ela, o dia mais difícil da prova é hoje, já que prefere português e redação – matérias aplicadas na semana passada.

Luiz Felipe Rocha Duarte tem 17 anos e presta o pela segunda vez. Pretende cursar Medicina e diz reconhecer privilégios por ter estudado a vida toda em escola particular. “A pandemia abriu alicerces. Sei dos meu privilégios e que consegui mais informações que outras pessoas”.

Amigos, Rafaela Almeida Santana, Kaique Queiroz da Silva, ambos com 18 anos, e Luiz Felipe dos Santos de 17, também chegaram cedo para prova. Contam que a etapa de domingo passado foi mais tranquila, já que matemática não é a matéria preferida. No caso deles, o terceiro ano foi concluído em escola estadual e o pouco foco dado ao , por parte da instituição, pode prejudicar.

Em 2º dia de Enem, engenheiro de 73 anos tenta Medicina e estudantes relatam apreensão com prova
Amigos contam dificuldade de se dedicar ao em ano de pandemia. (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax).

“Questão da escola foi bem difícil, alguns professores não focaram no exame e a gente acabou sendo prejudicado”, avalia Rafaela. Em tempos sem pandemia, afirma, as escolas dão dicas e reforçam estudos de quem está no terceiro ano, com foco no exame que garante vaga em universidades. Com 2020 atípico, o objetivo foi fazer com que os alunos conseguissem concluir o Ensino Médio, opina a estudante.

Em 2º dia de Enem, engenheiro de 73 anos tenta Medicina e estudantes relatam apreensão com prova
Seu Djalma dá dicas: estudar e estudar! (Foto Marcos Ermínio, Jornal Midiamax).

No meio de uma maioria jovem, Djalma Petrúcio faz o pela segunda vez, aos 73 anos. Engenheiro, hoje ele está aposentado e se dedica a realizar o sonho de fazer Medicina. Segundo ele, a vontade não mira ganhar dinheiro ou trabalhar muito, mas aprender e passar sua experiência. “Continuo na vontade de fazer mais alguma coisa e também passar a minha experiência para os jovens”.

A redação sobre saúde mental foi um dos desafios, conta, já que considera assunto delicado. Mas, Djalma afirma que, caso não passe desta vez, continuará tentando até conseguir. Ainda dá dicas: “tem de ter bastante foco, não pode pestanejar, tem que estudar”.

 

A avaliação terá uma duração de 5 horas. Em MS são 82.637 candidatos inscritos para o exame. Destes, 34.458 são da Capital. Uso de máscara é obrigatório durante todo o período. É recomendado também que o inscrito leve mais de uma máscara para realizar a troca. O participante que se recusar, injustificadamente, a respeitar os protocolos de proteção contra a , a qualquer momento, será eliminado do exame.

De acordo com dados do , dos inscritos, 47.310 não compareceram no primeiro dia da prova, gerando uma taxa de abstenção de 57,2%.

Em 2º dia de Enem, engenheiro de 73 anos tenta Medicina e estudantes relatam apreensão com prova