Cotidiano

Desempregado, professor vai às ruas de Campo Grande pedir trabalho com cartaz

O cartaz faz o apelo “Sou professor, quero um trabalho”. Desempregado, Fernando dos Santos Chaves está andando pelas ruas de Campo Grande em busca de uma oportunidade. Com as contas em atraso, o educador se viu em situação desesperadora. No ano passado, ele ainda estava efetivo como aprovado em processo seletivo do município, mas com […]

Karina Campos Publicado em 11/03/2021, às 10h19 - Atualizado às 11h43

Com ajuda de cartaz, Fernando faz apelo de oportunidade (Foto: Leitor Midiamax)
Com ajuda de cartaz, Fernando faz apelo de oportunidade (Foto: Leitor Midiamax) - Com ajuda de cartaz, Fernando faz apelo de oportunidade (Foto: Leitor Midiamax)

O cartaz faz o apelo “Sou professor, quero um trabalho”. Desempregado, Fernando dos Santos Chaves está andando pelas ruas de Campo Grande em busca de uma oportunidade. Com as contas em atraso, o educador se viu em situação desesperadora.

No ano passado, ele ainda estava efetivo como aprovado em processo seletivo do município, mas com a suspensão de aulas presenciais na rede municipal, em 2021 não conseguiu lotação na área. Ele passou a entregar currículos e entrevistas nas unidades particulares, mas sem sucesso.

“Estava em duas escolas como professor de geografia, no entanto, nesse ano não obtive lotação, e no desespero de pagar as contas, resolvi sair às ruas e lugares públicos expor minha preocupação em oportunidade de trabalho e dignidade”, lamenta.

Professor há 10 anos, Fernando diz que se preocupa com a pandemia, mas ficar em casa não é uma opção, já que a crise econômica bateu na porta. Nesses meses do ano já tentou outras áreas como administrativo, porém, não conseguiu alternativas. “Tenho formação em educação especial e estou cursando artes visuais, mas não estou podendo escolher. Faço ‘bicos’, corro atrás, já fiz feira na rua, de tudo um pouco, mas não está fácil”, conta.

O educador também oferece aulas particulares e está aberto para entrevistas. Para os interessados, o telefone (67) 99175-3676.

Jornal Midiamax