Cotidiano

Com sobra de vacinas nas aldeias, indígenas que vivem nas cidades podem ser imunizados em MS

Com as fake news, comunidades nas aldeias têm recusado a vacina

Mylena Rocha Publicado em 07/04/2021, às 12h41

None
Ricardo Minella/SES

Com cerca de 13 mil doses de vacina ‘sobrando’ nas aldeias, os indígenas que vivem nas cidades podem ser imunizados contra o coronavírus em Mato Grosso do Sul. As doses sobraram porque muitos indígenas se recusaram a vacinar. Com isso, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) deve remanejar as vacinas para a imunização de outros grupos. 

Um dos pedidos das comunidades indígenas é a imunização dos desaldeados, ou seja, os indígenas que deixaram as comunidades na zona rural e hoje vivem na cidade. A iniciativa de imunizar os indígenas desaldeados foi anunciada nesta quarta-feira (7) pelo secretário Geraldo Resende. 

Em um período em que vacina contra Covid-19 representa o maior sonho de muita gente que quer se ver livre da pandemia, a sobra de doses parece ser algo inimaginável. Em fevereiro a SES já havia anunciado a sobra de 13.848 doses da vacina que estavam destinadas aos indígenas. 

Entre os motivos que levam as comunidades a recusar a vacina estão as fake news, cada vez mais compartilhadas sem qualquer responsabilidade. Segundo dados do vacinômetro, os indígenas representam 8,8% das doses de vacina aplicadas em MS. Ao todo, foram aplicadas 58,4 mil doses em indígenas e 79,39% do público-alvo nas aldeias foi vacinado.

Jornal Midiamax