Cotidiano

Ciclistas organizam pedalada em homenagem a Emanuelle e por mais respeito no trânsito

Ciclistas e amigos da jovem Emanuelle Aleixo Gorski, de 20 anos, que morreu atropelada na noite de quarta-feira (10), no cruzamento da Avenida Hiroshima com a Avenida Mato Grosso, em Campo Grande, organizam uma pedalada educativa em homenagem à vítima e apelo para mais atenção no trânsito. O grupo prestou solidariedade aos familiares, além do […]

Karina Campos Publicado em 12/03/2021, às 09h35 - Atualizado às 09h37

Emanuelle foi vítima de atropelamento (Reprodução, Instagram)
Emanuelle foi vítima de atropelamento (Reprodução, Instagram) - Emanuelle foi vítima de atropelamento (Reprodução, Instagram)

Ciclistas e amigos da jovem Emanuelle Aleixo Gorski, de 20 anos, que morreu atropelada na noite de quarta-feira (10), no cruzamento da Avenida Hiroshima com a Avenida Mato Grosso, em Campo Grande, organizam uma pedalada educativa em homenagem à vítima e apelo para mais atenção no trânsito.

O grupo prestou solidariedade aos familiares, além do ato em memória da estudante de direito, o pedal educativo tem objetivo de pedir mais respeito aos outros colegas que também foram vítimas de atropelamento nos últimos anos.

O grupo deve se concentrar em frente à Cidade do Natal, nos Altos da Avenida Afonso Pena, local onde a jovem e a amiga teriam iniciado a pedalada antes do acidente. O início está marcado para às 18h30.

Ciclistas organizam pedalada em homenagem a Emanuelle e por mais respeito no trânsito

Por conta da pandemia, os organizadores pedem que os participantes usem máscaras e distanciamento social, além dos equipamentos de segurança, como o capacete.

Morte

Emanuelle tinha saído para pedalar com uma amiga nos altos da Avenida Afonso Pena e o acidente aconteceu quando ela voltava para casa. Conforme as primeiras informações, ela chegou a ser socorrida pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e encaminhada para a Santa Casa. No entanto, ela não resistiu aos ferimentos graves e morreu momentos após dar entrada.

O pai da vítima procurou a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro e registrou boletim de ocorrência, relatando o ocorrido. Ele soube que a filha tinha sido socorrida e levado para a Santa Casa, mas que não resistiu, mas não sabia da dinâmica do acidente.

Conhecido da família, engenheiro não teria visto jovem na via escura do Parque dos Poderes. Ainda abalados com o acidente, o filho do engenheiro disse que o pai ainda será ouvido na delegacia. Ele ainda está muito abalado com o que aconteceu. “Ele nunca passou por isso, e nossa preocupação é com a família dela (Emanuelle) nesse momento”, disse o homem, que contou que no dia do acidente o pai estava devagar quando tudo aconteceu.

Jornal Midiamax