Cotidiano

Campo Grande inaugura drive-thru no Albano Franco e quer 9 mil vacinados por dia

Espaço tem capacidade para aplicar 2 mil doses por dia

Gabriel Maymone e Gabriel Neves Publicado em 07/04/2021, às 11h03

Albano Franco tem vacinação no formato drive-thru em Campo Grande
Albano Franco tem vacinação no formato drive-thru em Campo Grande - Henrique Arakaki / Midiamax

Campo Grande abriu, na manhã desta quarta-feira (07), o drive-thru para vacinação contra covid no Albano Franco. Com isso, o município espera chegar perto do recorde de pessoas imunizadas por dia, que deve ficar em torno de 9 mil nos 70 pontos da cidade.

Nesta quarta-feira (07), o município realiza aplicação de 2ª dose a quem tomou a vacina entre os dias 10 e 17 de março e também a quem estava agendado para receber a dose de reforço entre 7 e 14 de abril. A medida é para agilizar o ritmo de vacinação, que está em média de 5 mil por dia, aumentando para 9 mil, conforme a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde).

Assim, o ponto de vacinação do Albano Franco tem capacidade para imunizar 2 mil pessoas por dia.

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), comemorou o novo drive-thru de vacinação. "É um momento de vitória da vida contra a morte", declarou. Conforme Trad, Campo Grande tem capacidade de vacinar 15 mil pessoas por dia, mas isso ainda não acontece por falta de doses suficientes.

Fase crítica

Sobre as duas semanas de "fecha tudo", o prefeito informou que o sistema de saúde da Capital sentiu os efeitos das medidas mais restritivas. "Se você entrar em um pronto socorro, diminuiu o número  de pessoas vítimas de acidentes de trânsito e de tentativas de homicídio, o que acabou desafogando um pouco para os pacientes com covid. Nesses dias de toque de recolher [mais rígido], o que mais afetou foi a redução de acidentes e tentativa de homicídios, foram as internações que mais caíram", informou.

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) esteve presente na abertura do novo ponto de vacinação e comentou sobre a situação geral da superlotação nos hospitais. "As equipes médicas estão se desdobrando para evitar o colapso. Ainda não chegamos ao ponto do médico ter que escolher quem vai ser intubado, mas lutam para que evite chegar a esse ponto", pontuou.

Jornal Midiamax