Cotidiano

Bens apreendidos de traficantes em MS serão leiloados até amanhã pelo Governo Federal

Ministério da Justiça e Segurança Pública anunciou pregão com lances online recebidos até esta quarta-feira

Humberto Marques Publicado em 30/03/2021, às 17h01 - Atualizado às 17h02

Kia Soul, avaliado em R$ 10,6 mil, já superava os R$ 13 mil. (Foto: Divulgação)
Kia Soul, avaliado em R$ 10,6 mil, já superava os R$ 13 mil. (Foto: Divulgação) - Kia Soul, avaliado em R$ 10,6 mil, já superava os R$ 13 mil. (Foto: Divulgação)

A Senad (Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, encerra às 10h desta quarta-feira (31) leilão virtual de veículos apreendidos em Mato Grosso do Sul que serviam ao tráfico de drogas. Os lances começaram com 50% do valor de mercado e devem ser efetuados no site https://www.mariafixerleiloes.com.br/externo/lotes/28849.

Entre os itens ofertados, estão uma motocicleta Honda CG 160cc Fan 2017, com lance mínimo em R$ 3 mil (e que já chegou a R$ 4,8 mil), um Kia Soul 1.6 2011/2012, que começou a ser negociado em R$ 10.665,20 (está em R$ 13.665,20) e um caminhão VW 24.250 CNC 6×2 2009, com lance mínimo de R$ 36 mil e que estava em R$ 84 mil até o fechamento desta reportagem.

Conforme a assessoria do MJSP, quem arrematar os itens ficará isento de eventuais multas e encargos anteriores à aquisição. Ao todo, mais de 300 itens estão em processo de venda no Estado e devem ir a leilão nos próximos meses.

A pasta já arrecadou mais de R$ 2 milhões no Estado com a venda de patrimônio apreendido de criminosos desde 2019. Devido a pandemia de coronavírus, os leilões da Senad têm ocorrido de forma exclusivamente virtual.

Neste mês, o secretário nacional de Políticas sobre Drogas, Luiz Beggiora, reuniu-se com representantes das Forças de Segurança Pública do Estado e reforçou a importância da cooperação com Mato Grosso do Sul para levar a leilão veículos confiscados do crime, cujo perdimento em favor da União já foi decreto.

“Transformar o produto oriundo do enriquecimento ilícito em recursos que serão investidos em políticas públicas é uma das nossas prioridades”, afirmou. Dos valores arrecadados, 40% são revertidos para reforçar forças policiais que fizeram as apreensões –o dinheiro segue para o Fundo Nacional Antidrogas, que cuida da redistribuição.

Jornal Midiamax