Transmissão de Covid-19 cai para 0,97, mas ‘farra’ do feriado pode estragar estabilidade em MS

Especialistas dizem que população abriu mão do isolamento antes da hora e pode atrasar saída da pandemia

enfim chegou a uma taxa de transmissão abaixo de 1 e o dado poderia indicar a chance de queda na curva de transmissão do coronavírus. A notícia poderia até ser boa, mas para especialistas, as aglomerações em cidades turísticas no feriadão podem estragar tudo. 

Transmissão de Covid-19 cai para 0,97, mas 'farra' do feriado pode estragar estabilidade em MS
Fonte: Analytics

Dados do portal Analytics mostram que a taxa de transmissão em MS é de 0,97. A taxa de transmissão ou número efetivo de reprodução da infecção, conhecido como Rt, é uma das ferramentas que podem ser utilizadas pelas autoridades para planejar medidas de isolamento ou de flexibilização.

Quando a taxa de transmissão é igual a 1, cada doente infecta apenas uma outra pessoa. Para que a epidemia seja considerada controlada, a taxa de transmissão precisa estar abaixo de 1 por mais de duas semanas seguidas. Muitos países esperaram esse índice para enfim afrouxar as medidas de isolamento. 

O secretário da SES (Secretaria de Estado de Saúde), Geraldo Resende, afirma que a taxa abaixo de 1 é um bom sinal para e mostra que o Estado estava em uma tendência de queda de casos. Porém, ainda não há motivos para comemorar, já que o comportamento da população no feriado da Independência pode gerar um novo aumento no número de casos. As consequências do desrespeito ao isolamento social devem refletir nos dados do coronavírus em MS daqui duas semanas.

“A pandemia não está controlada. Inclusive, no fim de semana a população demonstrou um completo desrespeito com os profissionais da saúde que se dedicam nessa pandemia. Vimos uma aglomeração gigantesca em cidades turísticas, isso é um desrespeito com os quase mil mortos da doença”, ressalta Resende.

O infectologista e pesquisador da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), Julio Croda também acredita que ainda não há motivos para celebrar. Por causa do feriado, ele afirma que é preciso aguardar a evolução dos dados ao longo da semana e que a taxa de transmissão em 0,97 não é um dado real.

Croda também chama a atenção para as aglomerações durante o feriado em MS. Como o estado estava com a curva de transmissão estabilizada, seria crucial manter as restrições e o isolamento social, para que enfim o número de casos e mortes começasse a cair. Porém, não foi o que aconteceu. 

“[Foram] diversas aglomerações em diferentes atividades de . Estamos em um momento de estabilização, mas o importante seria manter as restrições”. Para o pesquisador, o feriado mostrou a importância dada à pandemia. “A população e os gestores já fizeram sua opção”.

O secretário Geraldo Resende frisa que apesar dos apelos para o controle da pandemia, os gestores municipais têm ignorado os perigos do coronavírus. “Este fim de semana foi bastante emblemático, ver que a população, nem por empatia, não ajuda no controle da pandemia”.

Resende frisa que está longe do controle da pandemia e que quem pode ajudar são os prefeitos. “Se for [contar] com a participação da população, não teremos controle da situação”.

Farra do feriado

A cidade de , a 300 km de Campo Grande, é o principal destino de eco de  e um dos principais do Brasil. Conhecida mundialmente pelas águas cristalinas, a cidade enfrentou uma fila de  no sábado (5). Com o feriadão, o município tem uma taxa de isolamento social de 37,06%, bem abaixo do recomendado. Autoridades de saúde orientam que a taxa de isolamento ideal seria entre 60% e 70%.

Jardim, a 239 km de Campo Grande, é vizinha de  e também recebe  durante o feriado. No município, a taxa de isolamento chegou a 28,26%, de acordo com dados divulgados pela SES (Secretaria de Estado de Saúde).

A cidade de Rio Verde de Mato Grosso, a 194 km de Campo Grande, está entre os principais destinos turísticos de . Com balneários com rios e cachoeiras, a cidade atraiu muitos  durante o feriado e tem uma taxa de isolamento de 31,40%. Na noite de domingo (6), imagens enviadas por um leitor ao Jornal Midiamax mostram a cidade lotada e aglomeração de pessoas na praça das Américas.

“Aqui não estão nem aí para a saúde, só querem lucrar [com o ]. E as famílias que perderam seus entes queridos para ? Isso é uma vergonha”, disse um morador.

 

Transmissão de Covid-19 cai para 0,97, mas 'farra' do feriado pode estragar estabilidade em MS
Mais notícias