Cotidiano

Tá liberado? Saiba se apresentações artísticas podem acontecer em Campo Grande

O decreto que estabelece medidas para evitar aglomerações de pessoas em Campo Grande recebeu um novo texto nesta semana, que definiu novas medidas para conter o avanço do coronavírus na Capital. Desta forma eventos e reuniões podem ter limite de até 80 pessoas. No entanto, dúvida a respeito de apresentações musicais ainda resiste entre os […]

Mariane Chianezi Publicado em 18/12/2020, às 07h15 - Atualizado às 09h35

Leitor questionou se apresentação artística na Feira Central não ia contra decreto | Foto: De arquivo
Leitor questionou se apresentação artística na Feira Central não ia contra decreto | Foto: De arquivo - Leitor questionou se apresentação artística na Feira Central não ia contra decreto | Foto: De arquivo

O decreto que estabelece medidas para evitar aglomerações de pessoas em Campo Grande recebeu um novo texto nesta semana, que definiu novas medidas para conter o avanço do coronavírus na Capital. Desta forma eventos e reuniões podem ter limite de até 80 pessoas. No entanto, dúvida a respeito de apresentações musicais ainda resiste entre os campo-grandenses.

Leitor entrou em contato com o Jornal Midiamax questionando uma apresentação que havia sido realizada na Feira Central na quarta-feira (16) com música ao vivo. Mas afinal, apresentações artísticas, podem ou não podem ser realizadas?

De acordo com o decreto n. 14.566, ficam proibidos festas, eventos e reuniões de qualquer natureza acima de 40% da capacidade de cada local. Ou seja, não há proibição, desde que o limite permitido seja estritamente seguido, explicou a assessoria da Semadur (Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Gestão Urbana).

Outro detalhe importante que precisa ser observado pelos produtores de eventos é o horário do toque de recolher em vigor, atualmente das 22h às 5h. Para que se respeite o horário, eventos que venham a ser realizados, geralmente, têm encerrado até 21h30, para que os participantes possam retornar para a casa dentro do horário permitido.

Com isso, o limite de 40% de ocupação dos espaços menores segue válido desde que o número de pessoas presentes nos eventos não ultrapasse 80. O decreto também deixa restrito o compartilhamento de objetos, inclusive narguilés e tereré. Apenas ficou de fora das especificações os  eventos coorporativos ou religiosos (no caso de casamentos).

Restrição em MS

Para cidades que já tinham um toque de recolher, a situação não deve mudar. O toque de recolher estadual busca impor uma restrição na circulação em todas as cidades, já que muitas ainda não tinham tomado uma medida para controle do coronavírus.

Há cidades com toque de recolher mais rígido, é o caso de Dois Irmãos do Buriti, que foi classificado com risco extremo de transmissão da Covid-19. Na cidade, localizada a 117 km de Campo Grande, começa às 20 horas. Em casos como este, em que o toque de recolher começa mais cedo, prevalece o horário estabelecido no decreto municipal.

O número de casos de coronavírus voltou a crescer em Mato Grosso do Sul. Boletim divulgado nesta quinta-feira (17), mostrou que MS já soma 118.003 casos confirmados de Covid-19, com 1.391 novos registros em 24 horas. Foram registradas também 16 novas mortes, conforme apresentado pela SES (Secretaria de Estado de Saúde).

Com os 16 novos óbitos, o total de vítimas fatais em MS chega a 1.993 mortes desde o início da pandemia. Os novos óbitos foram registrados em Ponta Porã (1), Jardim (1), Campo Grande (10), Corumbá (2), Naviraí (1) e Amambai (1).

Jornal Midiamax