Servidores federais em trabalho remoto terão benefícios suspensos

Horas-extras, adicionais e auxílio-transporte deixarão de ser pagos

Os servidores públicos federais em trabalho remoto por causa da pandemia de coronavírus (Covid-19) deixarão de receber uma série de adicionais, auxílios e gratificações durante o período.

A Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal do Ministério da Economia publicou nesta quinta-feira (26), no Diário Oficial da União, as instruções normativas 27 e 28, que suspendem benefícios para o servidor que trabalha de casa.

Entre os benefícios suspensos estão horas extras, auxílio-transporte, adicionais de insalubridade e de periculosidade e gratificação para quem trabalha com raios x ou substâncias radioativas. No caso do adicional do trabalho noturno, o servidor precisará comprovar a prestação do serviço remoto entre 22h e 5h para receber o benefício.

As medidas valerão enquanto durar o estado de emergência de saúde pública.

Segundo a Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal, a medida teve o objetivo de adequar o Orçamento à nova rotina de trabalho do serviço público federal decorrente do novo coronavírus. Para o Ministério da Economia, não faz sentido pagar benefícios relacionados à atividade presencial para quem trabalha de casa.

A suspensão afetará os servidores da administração pública federal autorizados a adotar o trabalho remoto. Englobam essa categoria os servidores com mais de 60 anos, com sintomas de gripe, com doenças preexistentes crônicas ou graves e as servidoras grávidas e lactantes. Servidores com contrato temporário e estagiários também deixarão de receber os benefícios relacionados ao trabalho presencial.

Quem trabalha nas áreas de segurança, saúde e em setores considerados essenciais pelo governo não serão abrangidos pelas medidas porque esses servidores continuam trabalhando de forma tradicional. O Ministério da Economia não informou quanto economizará com a suspensão dos benefícios.

Mais notícias