Servidores fazem abaixo-assinado por efetivação de adicional insalubridade na pandemia

Funcionários públicos contam que muitas pessoas que procuram atendimento não respeitam medidas de segurança, colocando-os em risco

Servidores da SAS (Secretaria de ) e Sesau (Secretariaria Municipal de Saúde Pública), de Campo Grande, organizam um abaixo-assinado pedindo adicional insalubridade para os trabalhadores que estão atuando na linha de frente de combate ao coronavírus – projeto neste sentido foi aprovado e aguarda sanção da Prefeitura de Campo Grande.

Segundo uma servidora, que preferiu não se identificar, algumas pessoas que procuram atendimento na secretária não respeitam as medidas de segurança para evitar a transmissão da doença. “Atendemos usuários de droga, e entram (na secretaria) sem máscara, ficam bravos se a gente pede”, disse.

A petição pede a efetivação em urgência do projeto de lei aprovado pela Câmara dos Vereadores. A proposta dos vereadores Dr. Cury (), (PSDB) e Dr. Lívio (PSDB), prevê o pagamento do adicional em grau máximo de 40% sobre o valor do salário do trabalhador, enquanto pendurar a pandemia.

No projeto, o benefício incluiu a guardas municipais, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, veterinários, técnicos e auxiliares de assistência bucal, auditores fiscais e agentes fiscais da Vigilância Sanitária e servidores da SAS.

Em nota, a Prefeitura informou que a possibilidade de sanção do projeto de lei que autoriza o executivo a conceder adicional ainda está sendo avaliada, uma vez que é necessário dimensionar os custos e impacto na folha, não podendo extrapolar a lei de responsabilidade fiscal, que prevê o comprometimento máximo de 60% da receita corrente líquida para este fim.

Servidores fazem abaixo-assinado por efetivação de adicional insalubridade na pandemia
Mais notícias