Sem cestas da Funai, indígenas recebem ajuda de Ong carioca

As cestas serão distribuídas nas retomadas e acampamentos de Dourados, Rio Brilhante, Naviraí, Coronel Sapucaia e Antônio João

Enquanto a Funai (Fundação Nacional do Índio) se recusa a fornecer cestas básicas para os indígenas que vivem em assentamentos em Dourados e região, a Ong do Rio de Janeiro “Ação da Cidadania” irá entregar 10 toneladas de alimentos nos próximos dias.

O primeiro carregamento chega neste sábado à cidade e as distribuições terão início no dia 29 de fevereiro. A Ong carioca que conseguiu as cestas básicas foi fundada em 1993 pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho.

Segundo a (DPU) Defensoria Pública da União, que faz parte do Coletivo de Direitos Humanos de Mato Grosso do Sul, no primeiro momento essas cestas básicas serão distribuídas nas retomadas e acampamentos de Dourados, Rio Brilhante, Naviraí, Coronel Sapucaia e Antônio João.

“Essas são as áreas que a Funai se recusa a entrar, que são as retomadas e acampamentos. Nas áreas regularizadas os indígenas estão recebendo as cestas regularmente por meio do programa Vale Renda”, explica a  defensora regional de Direitos Humanos em MS e coordenadora do Grupo de Trabalho Comunidades Indígenas da DPU, Daniele de Sousa Osório.

No início deste ano, obedecendo a um despacho da direção da Funai em Brasília, foi interrompida a distribuição de cestas de alimentos para as famílias indígenas residentes em terras não demarcadas em Mato Grosso do Sul.

A direção do órgão alega não ser de responsabilidade da Funai a aquisição e distribuição de cestas às comunidades indígenas, nem existir orçamento para o deslocamento dos servidores que acompanham os caminhões da Conab na entrega dos alimentos.

Entidades de apoio

O coletivo de Direitos Humanos de Mato Grosso do Sul montou uma rede de apoio que é formada pelas seguintes entidades: CDHH Marçal de Souza, CUT/MS, MST/MS, CEDHU/MS, UFMS, DPU/MS, RENAP/MS, Juristas pela Democracia de MS, CEBI/MS, , MPF/MS, Coletivo Terra Vermelha, CIMI/MS, UEMS, FETEMS e Frente parlamentar de segurança alimentar e nutricional da ALM/MS.