Famílias de favela da Lagoa pedem ajuda para enfrentar frio e não têm nem água potável

Aproximadamente 98 famílias convivem com esgoto a céu aberto e falta de estrutura para aguentar as quedas de temperatura

Aproximadamente 98 famílias vivem ‘isoladas’ no corredor próximo à rua Sebastião Ferreira, no bairro Jardim Colorado. A comunidade da Lagoa não tem acesso a água potável, coleta de lixo, energia elétrica e quem vive ali já se ‘acostumou’ com o mal cheiro do a céu aberto, mas pedem ajuda para enfrentar os dias frios que acontecem em Campo Grande.

Ainda faltam 12 dias para o começo oficial do Inverno, mas o Outono já deixou claro que o período será rigoroso em , e para quem está vivendo em situação de vulnerabilidade social, o sofrimento só aumenta.

Representante das famílias, Débora Cristina, 24 anos, foi quem pediu ajuda no Jornal Midiamax. Ela relata que vive no local há 10 anos junto com o marido e dois filhos – uma menina de 6 anos e um menino de 3 – e para evitar passar frio, a família tem dividido a mesma cama.

“A gente nem aparece no mapa, estou aqui há 10 anos e vivemos nessa situação sem acesso a nada. Estou a 40 metros do córrego e quando chove a água ainda vem até a porta de casa, preciso ficar trancada com as crianças esperando passar”, detalha.

Por causa da pandemia do coronavírus, Débora conta que o marido – servente de pedreiro – já foi avisado que será mandado embora e por isso a situação da família deve piorar.

“A gente aqui na comunidade precisa de ajudar para o frio. Precisamos de coberta, agasalho, sapato, é isso mais urgente”, explica.

Sem acesso a água trata

Segundo Rosana do Amaral, 42 anos, os moradores da comunidade dependem de uma mina para ter acesso a água, mas quando chovem ficam à mercê da água com lama e gosto de ferrugem.

“As crianças daqui vivem com problema de estômago e diarreia por causa dessa água. Direto tem que ir para o posto”, conta.

No barraco de lona Rosana mora com o marido e três filhos, que foram mandados para a casa do pai após uma atingir o local.

“Desceu a na última chuva alagou tudo porque meu teto é furado, queimou geladeira. As roupas, cobertor, sofá tudo ficou molhado”, diz.

A família foi parar no local, após Rosana perder o emprego por causa de uma bronquite asmática. “A gente não tinha mais condições de pagar o aluguel. Agora trabalhamos com recicláveis eu e meu marido, mas o que a gente ganha mal dá para comprar comida”, explica

Ao lado do

Além de todos os problemas, as famílias também convivem com o mal cheiro de um a céu aberto. Patricia Arce, 28 anos, mora com o marido e os seus filhos – mais velho de 12 anos e mais novo de 1 – há quatro anos no local, e relata que além de enfrentar o frio e a falta água, o mal cheiro do só piora a situação.

“Meu filho mais novo tem problema de bronquite e essa situação só piora a doença. A gente não consegue medicamento porque vai no posto e ficam jogando de um lado para outro, acabo que desisto”, desabafa.

Situação parecida com a de Rosemeire Rodrigues, 39 anos. Impossibilitada de trabalhar por ser portadora da doença do Pênfigo – uma doença autoimune que forma bolhas pelo corpo – ela vive do Vale Renda, mas conta que o dinheiro só dá para pagar os custos com remédios.

“Como a gente está em área invadida é difícil conseguir remédio, então meu benefício vai para comprar remédio. Além disso tem meu pai aqui com 64 anos, ele é cardíaco, renal crônico e tem problema na vesícula. Mas cortaram o benefício que ele recebia do governo e tá na fila a espera de cirurgia”, explica.

No barraco, além de Rosemeire e o pai, também vivem a mãe, a irmã e o marido da mulher. “Aqui só quem faz pequenos bicos é o meu marido que é servente, mas a pandemia diminuiu muito os trabalhos. Precisamos muito de cobertores e roupas de frio, isso já ajuda nesse momento”, completa.

Ajuda

Quem quiser ajudar as famílias da comunidade pode entrar em contato com a Débora Cristina através do telefone (67) 99218-3582.

Prefeitura

Ao Jornal Midiamax a Prefeitura que a área invadida é uma APP (Área de preservação permanente), portanto, não há projeto de regularização fundiária.

* Matéria editada dia 9/6/2020 às 8h50 para acréscimo de resposta.

Famílias de favela da Lagoa pedem ajuda para enfrentar frio e não têm nem água potável
Mais notícias