Resistentes como Sabiá, moradores de rua recusam ajuda e internação ‘forçada’ vira rotina

Vulneráveis, andarilhos muitas vezes dependem de solidariedade por recusarem ajuda do poder público

Vulneráveis e fragilizados, os moradores que vivem em situação de rua contam com a constante solidariedade para sobreviverem em Campo Grande. Mesmo com programas sociais que os ajudam e dão abrigo, muitos recusam as ofertas de apoio e seguem nas ruas. E, quando em algumas ocasiões, o andarilho oferece riscos para a população e até para si mesmos, ele pode sofrer uma ‘internação forçada’.

Resistentes como Sabiá, moradores de rua recusam ajuda e internação 'forçada' vira rotina
Sabiá ficou internado no HRMS após fugir da UPA Leblon, diagnosticado com Covid-19 | Foto: Divulgação

Através das redes sociais, os moradores acompanharam a situação da figura bastante conhecida em Campo Grande, o Sabiá. Vivendo em situação de rua, o homem estava dormindo em bancos da UPA Leblon e, após ser diagnosticado com coronavírus, Sabiá foi internado no HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul), onde recebeu alta na quinta-feira (22).

Após ‘vaquinha’, um grupo conseguiu alugar um quarto para ele e, agora, buscam auxílio para conseguir outros móveis para o lugar. Sabiá, que estava internado na UPA, chegou a fugir da unidade, negando atendimento e, após encaminhamento, foi para o hospital.

Assim como no caso da figura ilustre da Capital, muitos outros moradores em situação de rua são monitorados e acompanhados pela SAS (Secretaria de ) e pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde).

Vulneráveis e frágeis

A SAS explica que a população de rua é caracterizada por serem pessoas com diferentes realidades e que tem em comum a pobreza, vínculos interrompidos ou fragilizados, e falta de moradia. Devido à situação em que vivem, ganhar a confiança de quem já é muito fragilizado, é um processo lento.

“Os serviços no âmbito da Política de , são de cunho continuado, permanente e planejado, para alcançarmos esse sujeito de direitos, no sentido da sensibilização da saída das ruas, mas considerando as expectativas e a manifestação dos usuários dos serviços”, disse em nota.

Sensibilizar o indivíduo que vive na rua conta com um trabalho incansável do , CREAS, Centro POP,  Acolhimentos Institucionais e também da SEAS (Serviço Especializado em Abordagem Social), que trabalha 24h.
“Quanto este sujeito nega nosso atendimento, mudamos as estratégias, e buscamos o aceite, enquanto isso a família está sendo trabalhada, e toda a rede de proteção e garantia de direitos também, e quando necessário o Ministério Público é acionado também. garantir que existe muito trabalho de acompanhamento do sujeito por todos os equipamentos que atendem a população em situação de rua, inclusive temos forte trabalho intersetorial com a saúde pública”, explicou a secretaria.

Internação “obrigatória”

Os moradores de rua, que seguem sendo acompanhados pela SAS, também são monitorados pela Sesau. O programa ‘Atenda’, acompanha as pessoas em situação de rua que tenham problemas psicóticos, que fazem uso de álcool ou entorpecentes.

Quando identificados, eles são abordados e é oferecido um tratamento. Ele pode recusar, mas caso seja avaliado que ele represente qualquer risco para a população ou até para si mesmos, o morador é encaminhado involuntariamente. “Caso haja a negativa do paciente em realizar o tratamento, quando há risco para ele e para a população, é feita a internação involuntária, usando-se de artifícios legais para tanto. Sendo assim o paciente passa a realizar o tratamento por, pelo menos, quinze dias e quando seu quadro se estabiliza, é liberado novamente”, explicou.

Resistentes como Sabiá, moradores de rua recusam ajuda e internação 'forçada' vira rotina
Mais notícias