Pandemia pode deixar cemitérios de Dourados sem missas no Dia de Finados

Decreto municipal flexibilizou celebrações em lugares abertos, com medidas de biossegurança

Embora o decreto municipal publicado na semana passada tenha flexibilizado a realização de celebrações religiosas no Dia de Finados, desde que não haja aglomerações e que seja respeitado o distanciamento entre as pessoas, boa parte das igrejas católicas não irão realizar missas em cemitérios.

Acostumados com as tradicionais missas que aconteciam  de hora em hora no cemitério municipal Santo Antônio de Pádua e até mesmo nos outros dois particulares em Dourados, em virtude da pandemia do coronavírus, os fiéis terão que fazer adaptações em rituais considerados sagrados por alguns.

Segundo informações apuradas nas secretarias de algumas paróquias da cidade, as celebrações irão acontecer nas própria igreja , com horário a serem definidos a critério de cada pároco.

“Isso tudo é uma grande novidade para mim. Nunca imaginei que isso fosse acontecer. Participo das missas de Finados há mais de 20 anos. Mas farei minha preces em silêncio”, diz a católica Tereza Carvalho, que ficou feliz em poder ir visitar o túmulo do filho no cemitério municipal.

“Para realização de cerimônias religiosas deve-se observar o Decreto Municipal vigente acerca das normas de biossegurança sobre as igrejas e templos religiosos. Em espaços abertos permitidos deve-se delimitar área para o culto religioso ou evento similar com 30% (trinta por cento) de lotação”’, diz o inciso I do artigo 1º, do decreto assinado pelo prefeita Délia Razuk (sem partido).

Pandemia pode deixar cemitérios de Dourados sem missas no Dia de Finados
Mais notícias