Onça resgatada no Pantanal apresenta melhora e deve passar por cirurgia para retirar bala alojada

Animal já está com patas quase cicatrizadas.

A onça que foi resgatada no início do mês, durante os incêndios no Pantanal, está apresentando uma melhora significativa. A (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) divulgou, nesta quinta-feira (26), que o animal deve passar por cirurgia em breve para retirar um projétil alojado no tórax do animal.

O felino, com cerca de dois anos, está recebendo tratamento no Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres). Segundo o veterinário do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) Lucas Cazati, a onça está recebendo tratamento com aplicações de ozônio, que tem propriedades cicatrizantes e anti-inflamatórias. As patas, que antes estavam queimadas pelas chamas da região pantaneira, já estão quase cicatrizadas.

O tratamento de ozonioterapia é feito em parceria com a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e está sendo ministrado pelos professores Breno Fernandes Barreto e Verônica Borges Babo, acompanhando a evolução da saúde do animal.

Onça resgatada no Pantanal apresenta melhora e deve passar por cirurgia para retirar bala alojada
Patas da onça já estão quase cicatrizadas. (Foto: Divulgação/Semagro)

O animal foi resgatado fraco, debilitado e com partes do corpo queimado, mas desde que chegou no Cras, vem recebendo alimentação balanceada e já ganhou 8 quilos.

Exame de Raio-X detectou um projetil no tórax do felino, consequência de um tiro que deve ter sofrido há alguns meses, pois, a pele está cicatrizada. O veterinário disse que o metal será retirado em cirurgia simples de rápida recuperação, o que não deve atrasar o retorno da onça ao seu habitat.

A onça foi resgatada junto a outra, com aproximadamente a mesma idade, e trazidas da Serra do Amolar, em Corumbá, no dia 4 de novembro, com uma força-tarefa de voluntários, brigadistas, militares e veterinários voluntários, com apoio de um avião da Força Aérea Brasileira.

O outro macho não resistiu aos ferimentos, horas após ter chegado no Cras. No exame de necropsia também foi detectado que ela havia sido vítima de atiradores. A bala estava alojada na região do tórax com estilhaços atingindo os pulmões. Apesar do tiro, a morte do animal teve como causa a quantidade elevada de fumaça que inalou durante o incêndio, segundo revelou o exame.

Onça resgatada no Pantanal apresenta melhora e deve passar por cirurgia para retirar bala alojada
Mais notícias