Em duas semanas, internações por coronavírus disparam e chegam a 95% em Campo Grande

Pelo SUS restam apenas 6 vagas para pacientes em estado grave

O número de internações em (Unidade de Terapia Intensiva) de pacientes com coronavírus () subiu 75,8% em duas semanas nos hospitais de Campo Grande. Assim, a taxa de ocupação de leitos chegou a 95% na Capital. As informações constam no Painel Mais Saúde, que exibe dados preenchidos pelas unidades de saúde.

De acordo com as informações do Painel, no dia 17 de novembro, Campo Grande tinha 91 pacientes internados com em leitos , sendo que havia disponível 132 vagas. Os dados informados pelos hospitais na terça-feira (1º) mostram que o município tem 175 leitos – que são específicos para casos da doença, sendo que 160 estão ocupados.

Se isolados apenas os leitos ofertados pelo SUS (Sistema Único de Saúde), a ocupação chega a 94,5%. Conforme o painel, são 110 leitos SUS ofertados na cidade, sendo que 104 estão ocupados. Assim, restam apenas seis vagas disponíveis. Na rede particular, são 65 leitos , sendo que restam nove vagas.

A SES (Secretaria de Estado de Saúde) informou que dos leitos SUS ocupados em Campo Grande, sete são de pacientes do interior (1 de Maracaju.1 de Gloria de Dourados. 2 de Miranda. 1 de são Gabriel de oeste. 01 de Aquidauana e 1 de Anastácio).

No hospital referência para o tratamento da doença pelo SUS, o HRMS (Hospital Regional de ), a taxa de ocupação chega a 97,5%. São 79 leitos críticos – desses 54 são em , sendo que 77 estão ocupados. Somados com pacientes não , a taxa de ocupação, segundo o boletim emitido pelo próprio hospital é de 110%.

Pedido

A SES divulgou nesta segunda-feira (30), que o secretário da pasta, Geraldo Resende, deve viajar para Brasília, no Distrito Federal, para articular a ampliação de mais 60 leitos de (Unidade de Terapia Intensiva), para tratar pacientes com coronavírus.

Conforme Resende, houve uma reunião com o secretário da (Secretaria Municipal de Saúde), José Mauro Filho, na , para abertura de 10 novos leitos de .

“A abertura de novos leitos na Capital é fundamental para evitar o caos na saúde pública do Estado. Estamos trabalhando para que o Hospital Regional de  possa receber mais 20 leitos de s Covid. Também trabalhamos, junto com o município de Campo Grande, para abrir mais 20 leitos de s Covid no Hospital do Pênfigo, único da rede privada que apontou essa possibilidade, considerando que os demais já trabalham no limite de suas ocupações”, informou o secretário de Estado de saúde, Geraldo Resende..

Em duas semanas, internações por coronavírus disparam e chegam a 95% em Campo Grande
Mais notícias