No pulso ou na testa? Temperatura aferida em locais diferentes pode ter erro, alerta Sesau

Orientação é seguir o fabricante e determinação do estabelecimento

Já se tornou rotina em Campo Grande, ao entrar em algum estabelecimento comercial, parque ou prédio, o termômetro com sensor infravermelho, chamado por muitos de “pistolinha”. Mas afinal, existe diferença na aferição da temperatura se ele apontar para a testa ou para o pulso?

Um boato, já desmentido pelo Jornal Midiamax, dizia que o aparelho poderia causar câncer nas pessoas, caso fosse apontado para e testa. De acordo com a assessoria da (Secretaria Municipal de Saúde), o boato surgiu principalmente por conta de uma particularidade do aparelho.

Ao ser apontado, o aparelho dispara uma luz de led, que ao olho nu parece uma espécie de laser. “Por conta disso, as pessoas passaram a acreditar que poderia ser emitido algum tipo de radiação ou algo assim, mas na verdade é ao contrário, o aparelho não emite nada, nem radiação, nem micro-ondas. Ele capta a energia (o calor) exalado pelo corpo e transforma em um valor numérico”, explicou a assessoria da secretaria.

Ainda de acordo com a , o laser que gerou preocupação em muitos tem uma única e inofensiva função, informar à pessoa que manuseia o termômetro para onde o aparelho está sendo apontado, como uma mira.

Mas existe um local especifico para apontar o termômetro?

No pulso ou na testa? Temperatura aferida em locais diferentes pode ter erro, alerta Sesau
SESAU alerta que aferição no pulso pode apresentar alteração na temperatura apresentada. (Foto: Henrique Arakaki)

Na verdade, sim. A explica que a principal recomendação é que a pessoa que manuseia o aparelho siga as normas do fabricante, seja na testa, atrás da orelha, ou até mesmo o pulso.

Caso o fabricante não determine um local especifico para onde apontar o termômetro, “o local que recomendamos, com base nos livros, é a testa, pois no pulso pode apresentar alterações na temperatura”, informa a secretaria.

Se apontado para o pulso, o aparelho pode apresentar uma temperatura de até 0,8° abaixo da correta, ou seja, “pode fazer com uma pessoa febril seja considerada sem febre, ou uma pessoa com febre seja considerada febril”, disse a assessoria da .

A reportagem foi até a entrada do Parque Ecológico do Sóter, onde só é permitida a entrada de pessoas com uso de máscaras e após a aferição da temperatura corporal. Lá a recomendação é clara, medir no pulso e na testa dos frequentadores.

Segundo a pessoa que manuseia o aparelho, já se sabe que a aferição no pulso pode apresentar alterações e por isso a recomendação de que seja feita nos dois locais, em alguns minutos no local, nenhum dos frequentadores reclamou do aparelho ser apontado para a testa.

E caso eu me recuse que minha temperatura seja aferida na testa?

Como explica a , cada estabelecimento, local ou órgão tem suas próprias regras, já que a secretaria faz apenas recomendações sobre o uso do aparelho e não determinações.

“Se a norma de algum estabelecimento proíba que clientes ou frequentadores adentrem no local caso a aferição não ocorra na testa, o cliente pode ser barrado, até porque se trata de um local particular”.

Já pensando nas dúvidas que o termômetro infravermelho possa causar, a publicou um manual de recomendação de uso, que pode ser acessado clicando aqui.

Entre as principais recomendações, estão que o aparelho necessita ser apontado para a testa e afirma que o procedimento pode ser realizado diversas vezes sem causar nenhum tipo de incomodo ao usuário.

Esse aparelho é recomendado pois, como não existe contato, evita a contaminação cruzada. Ele deve ser apontado a uma distância de 1 a 5 cm, conforme recomendado pela Secretaria.

 

No pulso ou na testa? Temperatura aferida em locais diferentes pode ter erro, alerta Sesau
Mais notícias